Fisco espanhol devolve dois milhões de euros a Cristiano Ronaldo

Autoridade tributária considera que CR7 pagou essa quantidade em impostos ao ceder direitos de imagem. Multa do futebolista internacional português reduzida para 16,7 milhões, adianta o El Mundo.

O fisco espanhol devolveu mais de dois milhões de euros a Cristiano Ronaldo, depois de concluir que o futebolista internacional português pagou esse valor em forma de IVA em Espanha pela cedência dos seus direitos de imagem ao empresário Peter Lim, sem ter obrigação legal para o fazer.

Assim sendo, escreve o El Mundo, o acordo feito há quase dois meses entre CR7 e a autoridade tributária, que implicava o pagamento de 18,8 milhões de euros por parte do jogador, foi reduzido para 16,7 M.

O jornal espanhol adianta que o agora avançado da Juventus já tinha desembolsado 13,4 milhões de euros e iria pagar a restante quantidade durante as próximas semanas, no entanto, não lhe sairá tão caro como inicialmente previsto.

Tudo porque, segundo a Autoridade Tributária, Ronaldo cedeu a exploração dos seus direitos de imagem em Espanha em dezembro de 2014 às sociedades Arnel Services, S.A, e Adifore Finance, LTD, sediadas nas Ilhas Virgens Britânicas e propriedade de Peter Lim, proprietário do Valência, com o objetivo de potenciar a sua imagem no continente asiático através do empresário de Singapura. Depois de examinar essa operação, o fisco considera que "não está sujeita a IVA por tratar-se de prestação de serviços localizadas fora do território de aplicação do imposto". Porém, como Cristiano Ronaldo pagou o IVA da transação e o declarou em janeiro de 2017, o fisco vai proceder à imediata devolução do valor, reembolsando o futebolista em 2.094.200,72 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.