FIFA autoriza Vlachodimos a representar a Grécia

O guarda-redes do Benfica já pode ser chamado pelo selecionador Angelos Anastasiadis para os jogos de novembro para a Liga das Nações

Odysseas Vlachodimos já pode representar a seleção grega, anunciou esta segunda-feira a federação helénica em comunicado, revelando que o Comité do Estatuto do Jogador da FIFA autorizou o guarda-redes do Benfica a representar o país dos seus pais.

Vlachodimos é natural de Estugarda, na Alemanha, tendo representado as seleções alemãs em todas as categorias até aos sub-21. Em outubro, o atleta assumiu formalmente a sua disponibilidade de representar a Grécia, ao enviar uma carta para esta federação, que iniciou o processo junto da FIFA.

O guarda-redes já poderá assim integrar a próxima convocatória do selecionador Angelos Anastasiadis, para os jogos dos dias 15 e 18 de novembro, em que a Grécia recebe a Finlândia e a Estónia, respetivamente, em partidas a contar para a Liga das Nações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.