FC Porto perde 27 jogos depois mas Adrián deixa eliminatória com AS Roma em aberto

Portistas derrotados esta terça-feira no Olímpico por 1-2, na primeira mão da Liga dos Campeões. Avançado espanhol respondeu ao bis de Zaniolo e deixa azuis e brancos com reais possibilidades de resolver a eliminatória em casa

Nem deu para perder o norte. O FC Porto sofreu o 0-2 aos 75 minutos, já sem o lesionado Brahimi, mas o substituto Adrián López reduziu pouco depois e deixou tudo em aberto para a segunda mão, no Dragão, a 6 de março. Uma vitória por 1-0 na sua fortaleza bastará à equipa de Sérgio Conceição para seguir para os quartos de final.

Os nove minutos em que os três golos foram marcados, entre os 70 e os 79, contrastaram com uns primeiros 45 muito táticos e pachorrentos, num tédio que valeu um recorde negativo nesta edição da Liga dos Campeões: menos remates na primeira parte (cinco). O primeiro surgiu pouco antes da meia hora, por Pellegrini, para defesa fácil de Casillas. O mais perigoso foi de Dzeko, que contornou Éder Militão e acertou no poste (37').

Fernando e Otávio novidades

De resto, viu-se um FC Porto de regresso ao 4x4x2, com a novidade Fernando Andrade ao lado de Soares no eixo do ataque e Otávio a render o castigado Corona, a tentar controlar as operações através de uma posse de bola inofensiva. Do outro lado, uma AS Roma compacta a apostar nas saídas rápidas para o ataque.

No segundo tempo, o jogo abriu desde bem cedo, com mais espaço para jogar e mais ação junto das balizas. O antigo médio benfiquista Cristante foi o primeiro a causar perigo, obrigando Casillas a intervenção incompleta (50'). Danilo Pereira, o melhor dos azuis e brancos no encontro desta terça-feira, viu a bola por si cabeceada passar rente ao poste (55').

Tornozelo trai Brahimi

Numa fase em que o golo inaugural podia cair para qualquer lado, um duro golpe para o FC Porto com a lesão de Brahimi, que saiu com bastantes queixas no tornozelo esquerdo. E como um mal nunca vem só, a AS Roma chegou ao 1-0 por Zaniolo, que servido por Dzeko bateu Casillas através de um remate cruzado (70').

Cinco minutos depois, a dupla romana voltou a estar em evidência, com remate do veterano avançado bósnio ao poste de 32 anos e recarga triunfante do jovem extremo italiano de 19 anos.

Sair de Roma com um 0-2 seria uma missão espinhosa para os dragões, mas nem houve muito tempo para pensar nesse cenário, pois o substituto de Brahimi, Adrián López, fuzilou Mirante (79') e marcou aquele que provavelmente foi o seu golo mais importante ao serviço dos portistas.

O FC Porto ainda procurou evitar a primeira derrota de sempre com a AS Roma (em cinco confrontos), mas voltou a conhecer o sabor da derrota... 27 jogos depois.

Figura: Edin Dzeko

Nicolò Zaniolo foi o autor dos dois golos, é certo, mas o que dizer da tremenda exibição do avançado bósnio, influente em ambos os lances? Ponta de lança de elevada estatura (1,92 m), mostrou ser capaz de fazer um pouco de tudo durante a partida: dar profundidade ao ataque, desenvencilhar-se dos adversários através do drible, jogar de costas para a baliza, rematar prontamente de qualquer ângulo e servir os companheiros. Depois de ter quebrado os rins a Éder Militão e atirado ao poste da baliza de Casillas na primeira parte, fez a assistência para o 1-0 e voltou a acertar no poste antes da recarga de Zaniolo para o 2-0.

Aos 32 anos, ainda está aí para as curvas. Desta vez não marcou, mas continua entre os principais artilheiros desta edição da Liga dos Campeões, com cinco golos - só Lewandowski do Bayern Munique (oito) e Messi do Barcelona (seis) têm mais.

Ficha de jogo

Jogo realizado no Estádio Olímpico, em Roma.

Árbitro: Danny Makkelie (Holanda).

AS Roma: Mirante, Florenzi, Manolas, Fazio, Kolarov, De Rossi, Cristante, Pellegrini (Nzonzi, 83), Zaniolo (Santon, 87), El Shaarawy (Justin Kluivert, 90) e Dzeko.

Treinador: Eusebio di Francesco.

FC Porto: Casillas, Éder Militão, Felipe, Pepe, Alex Telles, Otávio, Danilo, Herrera, Brahimi (Adrián López, 68), Fernando Andrade (André Pereira, 76) e Soares.

Treinador: Sérgio Conceição.

Disciplina: cartão amarelo para Herrera (74) e El Shaarawy (88).

Marcadores: 1-0, Zaniolo, 70 minutos; 2-0, Zaniolo, 76; 2-1, Adrián López, 79.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.