FC Porto negoceia defesa-esquerdo do Mónaco

O brasileiro Jorge, de 22 anos, poderá chegar ao Dragão por empréstimo

O FC Porto está em negociações adiantadas com o Mónaco para contratar o defesa-esquerdo Jorge Moraes. Ao que o DN apurou, o jogador deverá chegar ao Dragão por empréstimo, não sendo ainda claro se ficarão com opção de compra do jogador brasileiro de 22 anos.

Está assim quase a concretizar-se um pedido do treinador Sérgio Conceição, que pretende um lateral-esquerdo para concorrer com Alex Telles por um lugar no onze. Isto depois de esta semana ter falhado a contratação de Zakarya Bergdich, jogador marroquino do Belenenses, que chumbou nos exames médicos.

Jorge foi contratado pelo Mónaco ao Flamengo em janeiro de 2017, por 8,5 milhões de euros, tendo na época passada sido utilizado em 27 jogos oficiais pelo treinador Leonardo Jardim.

Contudo, o facto de terem chegado este verão o italiano Antonio Barreca (ex-Torino, por 10 milhões de euros) e o alemão Benjamin Henrichs (Bayer Leverkusen, por 20 milhões de euros), colocam Jorge na lista de transferíveis por parte Mónaco, sendo uma boa oportunidade de negócio para o FC Porto.

Ao que o DN apurou, os dragões ainda procuram, nas últimas horas de mercado, garantir um extremo e um médio para fechar o plantel. Contudo, é bom lembrar que o mercado fecha esta sexta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.