FC Porto negoceia defesa-esquerdo do Mónaco

O brasileiro Jorge, de 22 anos, poderá chegar ao Dragão por empréstimo

O FC Porto está em negociações adiantadas com o Mónaco para contratar o defesa-esquerdo Jorge Moraes. Ao que o DN apurou, o jogador deverá chegar ao Dragão por empréstimo, não sendo ainda claro se ficarão com opção de compra do jogador brasileiro de 22 anos.

Está assim quase a concretizar-se um pedido do treinador Sérgio Conceição, que pretende um lateral-esquerdo para concorrer com Alex Telles por um lugar no onze. Isto depois de esta semana ter falhado a contratação de Zakarya Bergdich, jogador marroquino do Belenenses, que chumbou nos exames médicos.

Jorge foi contratado pelo Mónaco ao Flamengo em janeiro de 2017, por 8,5 milhões de euros, tendo na época passada sido utilizado em 27 jogos oficiais pelo treinador Leonardo Jardim.

Contudo, o facto de terem chegado este verão o italiano Antonio Barreca (ex-Torino, por 10 milhões de euros) e o alemão Benjamin Henrichs (Bayer Leverkusen, por 20 milhões de euros), colocam Jorge na lista de transferíveis por parte Mónaco, sendo uma boa oportunidade de negócio para o FC Porto.

Ao que o DN apurou, os dragões ainda procuram, nas últimas horas de mercado, garantir um extremo e um médio para fechar o plantel. Contudo, é bom lembrar que o mercado fecha esta sexta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.