FC Porto de volta ao trabalho com 24 jogadores e caras novas

Plantel portista realizou esta segunda-feira primeiro treino da época já com os reforços João Pedro e Saidy

Começou esta segunda-feira a nova época no Dragão e já com algumas caras novas, casos dos reforços João Pedro e Saidy, assim como Mikel, André Pereira, e Galeno, jogadores que estiveram emprestados e estão de volta ao plantel portista.

Ainda ausentes, por estarem ao serviço das respetivas seleções no Mundial da Rússia, estão Herrera, Layún, Corona e Maxi Pereira. Quem também não compareceu à chamada foi o maliano Marega.

Eis os 24 jogadores presentes no primeiro dia de trabalho dos dragões: Casillas, José Sá, Vaná, Fabiano, Otávio, Óliver, Diogo Queirós, André Pereira, Adrian López, Gonçalo Paciência, Paulinho, Sérgio Oliveira, Soares, Alex Telles, Hernâni, Galeno, Luizão, Danilo, Bruno Costa, João Pedro, Saidy, Oleg Reabciuk, Diogo Leite e Mikel.

Danilo e Adrián Lopez, lesionados, não subiram ao relvado para participar no treino, permanecendo no ginásio.

Os campeões nacionais vão manter-se no Olival durante as próximas duas semanas, antes de rumarem a Lagos (Algarve), onde realizarão um estágio entre os dias 16 e 25 de julho.

Em território algarvio, os portistas disputarão três jogos particulares. O primeiro, no dia 17 de julho, frente ao Portimonense (Estádio Municipal de Portimão, 20h30), o segundo diante dos franceses do Lille, no dia 20 (Estádio do Algarve, 20h00), e o terceiro com os ingleses do Everton, no dia 22 (Estádio do Algarve, 20h00). Terminada a estadia a sul, os dragões regressam ao Estádio do Dragão para defrontar o Newcastle, no dia 28, no sempre esperado jogo de apresentação aos sócios e adeptos.

Definido está também o primeiro jogo oficial da temporada, que vale uma taça. No dia 4 de agosto (20h45), FC Porto e Desportivo das Aves discutem no Municipal de Aveiro a Supertaça Cândido de Oliveira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.