FC Porto de volta ao trabalho com 24 jogadores e caras novas

Plantel portista realizou esta segunda-feira primeiro treino da época já com os reforços João Pedro e Saidy

Começou esta segunda-feira a nova época no Dragão e já com algumas caras novas, casos dos reforços João Pedro e Saidy, assim como Mikel, André Pereira, e Galeno, jogadores que estiveram emprestados e estão de volta ao plantel portista.

Ainda ausentes, por estarem ao serviço das respetivas seleções no Mundial da Rússia, estão Herrera, Layún, Corona e Maxi Pereira. Quem também não compareceu à chamada foi o maliano Marega.

Eis os 24 jogadores presentes no primeiro dia de trabalho dos dragões: Casillas, José Sá, Vaná, Fabiano, Otávio, Óliver, Diogo Queirós, André Pereira, Adrian López, Gonçalo Paciência, Paulinho, Sérgio Oliveira, Soares, Alex Telles, Hernâni, Galeno, Luizão, Danilo, Bruno Costa, João Pedro, Saidy, Oleg Reabciuk, Diogo Leite e Mikel.

Danilo e Adrián Lopez, lesionados, não subiram ao relvado para participar no treino, permanecendo no ginásio.

Os campeões nacionais vão manter-se no Olival durante as próximas duas semanas, antes de rumarem a Lagos (Algarve), onde realizarão um estágio entre os dias 16 e 25 de julho.

Em território algarvio, os portistas disputarão três jogos particulares. O primeiro, no dia 17 de julho, frente ao Portimonense (Estádio Municipal de Portimão, 20h30), o segundo diante dos franceses do Lille, no dia 20 (Estádio do Algarve, 20h00), e o terceiro com os ingleses do Everton, no dia 22 (Estádio do Algarve, 20h00). Terminada a estadia a sul, os dragões regressam ao Estádio do Dragão para defrontar o Newcastle, no dia 28, no sempre esperado jogo de apresentação aos sócios e adeptos.

Definido está também o primeiro jogo oficial da temporada, que vale uma taça. No dia 4 de agosto (20h45), FC Porto e Desportivo das Aves discutem no Municipal de Aveiro a Supertaça Cândido de Oliveira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.