Está desfeito o bloqueio: CR7 já... bisou pela Juventus

Português dá vitória à equipa de Turim no jogo frente ao Sassuolo (2-1)

Com Cristiano Ronaldo costuma ser assim: não há fome de golos que não dê em fartura. Ao fim de 320 minutos, o avançado português chegou por fim ao golo pela Juventus na liga italiana e duplicou a dose pouco mais tarde, assinando os dois golos com que a equipa de Turim venceu este domingo o Sassuolo, por 2-1.

Aos 50 minutos do encontro da quarta jornada da Serie A, Cristiano Ronaldo aproveitou uma recarga, na sequência de um pontapé de canto, e estreou-se a marcar com a nova camisola, em jogos oficiais.

O primeiro golo de Cristiano Ronaldo foi devidamente celebrado nas redes sociais da Juventus.

Desfeito o bloqueio, Cristiano Ronaldo não demorou muito a fazer o segundo. Um quarto de hora depois, o avançado português definiu com um remate de pé esquerdo, na área, um contra-ataque da Juventus, aumentando para 2-0.

O segundo golo do português foi muito festejado nas bancadas, com a transmissão televisiva a focar a reação de Georgina Rodriguez, a companheira do jogador, que assistiu ao jogo na companhia dos filhos de Ronaldo.

Cristiano Ronaldo evitou assim bater a sua maior seca de golos dos últimos dez anos, que aconteceu precisamente na época passada, no Real Madrid, quando esteve 355 minutos sem fazer um golo na liga espanhola. Na altura, depois de falhar as primeiras quatro partidas por suspensão, Cristiano Ronaldo entrou em campo à quinta jornada, mas foi apenas no seu quarto jogo, aos 85 minutos da partida com o Getafe, que marcou pela primeira vez na LaLiga de 2017/18.

Desta vez, CR7 ficou-se pelos 320 minutos de jejum. Depois de três jogos em branco para o português, o Sassuolo ainda resistiu 50 minutos, este domingo, até cair aos pés de Ronaldo.

A equipa visitante, que chegava a Turim como segunda classificada e também ainda sem ter perdido nesta Série A, ainda reduziu o marcador, por Babacar, aos 90', mas a partida terminou mesmo com a vitória (2-1) da Juventus, que assim mantém a liderança isolada e o pleno de triunfos no campeonato italiano, ao fim de quatro jornadas. Agora já com os golos de Cristiano Ronaldo.

Repescando a famosa analogia usada por CR7 em 2010, está oficialmente aberto o "frasco de ketchup" na liga italiana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.