Espanha vence Inglaterra em Wembley na estreia de Luis Enrique

A Espanha venceu este sábado em Londres, no primeiro jogo da primeira jornada do Grupo 4 da Liga A Liga das Nações

Saul, aos 13 minutos, e Rodrigo, aos 31 minutos, deram a vitória à seleção espanhola, depois de Marcus Rashford, aos 11, ter dado vantagem à formação britânica.

A formação comandada por Luis Enrique, que sucedeu no cargo ao interino Fernando Hierro e a Julen Lopetegui, apresentou-se dominadora no encontro e tomou a dianteira do agrupamento, antes de receber a Croácia, na terça-feira, na segunda jornada.

A Inglaterra, quarta classificada no Mundial 2018, deparou-se com um praticamente intransponível David De Gea, num encontro em que ficou desfalcada do defesa central Luke Shaw, do Manchester United, após um choque com Carvajal, aos 55.

Durante a parte final do encontro em Wembley, centenas de adeptos espanhóis entoaram "Gibraltar é Espanha", dando voz a uma luta pela recuperação de um território sob administração britânica desde 1713.

Em jogo para o Grupo 2 da Liga C, a Grécia foi vencer à Estónia, por 1-0, com um golo de Fortounis, aos 14 minutos, após assistência do ex-Benfica Mitroglou.

Com este triunfo, a seleção grega igualou no topo do grupo, com três pontos, a Finlândia, que também venceu por 1-0 na receção à Hungria, num triunfo selado por Teemu Pukki, logo aos sete minutos.

Na quarta divisão, o Luxemburgo goleou a Moldávia, por 4-0, com tentos de Malget, aos 34 minutos, Thill, aos 60, Sinani, aos 75, e Christopher Pereira, aos 83.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.