Do bis de Deschamps ao pé frio de Lovren. Números e factos da final

Gauleses passam a somar dois títulos mundiais, igualam Argentina e Uruguai e descolam de Inglaterra e Espanha. Única seleção que venceu dois dos últimos seis Campeonatos do Mundo

A vitória da França sobre a Croácia na final de Moscovo manteve o lote de países campeões mundiais com apenas oito nomes, ao cabo de 21 edições. A hierarquia continua a ser liderada pelo Brasil (cinco), mas os gauleses descolaram de Inglaterra e Espanha e apanharam Argentina e Uruguai, que somam dois títulos.

Os gauleses sucedem assim à Alemanha, campeã em 2014, e repetem o triunfo de 1998 e tornam-se a única seleção com dois títulos nos derradeiros seis Campeonatos do Mundo.

Eis alguns números e factos da final do Mundial:

- O jogo que valeu a taça, que culminou com a vitória de les bleus sobre a Croácia por 4-2, foi a final com mais golos desde 1966. Apenas em 1958, quando a Brasil venceu a anfitriã Suécia por 5-2, é que houve mais golos numa final (sete). A deste ano, com seis remates certeiros, iguala as de 1930, 1938 e 1966, que terminou com vitórias de Uruguai, Itália e Inglaterra sobre Argentina, Hungria e Alemanha, respetivamente. E desde 1974, quando a Alemanha foi para o intervalo a vencer a Holanda por 2-1, que não havia três ou mais golos numa primeira parte de uma final.

- Quem também fez história foi o selecionador Didier Deschamps, que se tornou o terceiro a ganhar o Mundial como jogador (1998) e treinador (2018), depois do brasileiro Mário Zagallo (1958, 1962 e 1970) e do alemão Franz Beckenbauer (1974 e 1990).

- Já o central Raphael Varane tornou-se o primeiro a conquistar Liga dos Campeões e Mundial no mesmo ano, sucedendo a sete alemães do Bayern Munique em 1974, Maier, Beckenbauer, Breitner, Schwarzenbeck, Kapellmann, Hoeness, Gerd Muller; ao compatriota e médio do Real Madrid em 1998, Karembeu; ao lateral brasileiro e também merengue Roberto Carlos (2002); e ao ex-companheiro de Real Madrid e médio alemão Khedira (2014).

- Por outro lado, o central croata do Liverpool, Lovren, tornou-se o 13.º a perder a final da Liga dos Campeões e do Mundial no mesmo ano, sucedendo a: Liedholm em 1958 (Milan/Suécia), Breitner, Rummenigge e Dremmler em 1982 (Bayern Munique/Alemanha); Butt, Ramelow, Ballack, Schneider e Ballack em 2002 (Bayer Leverkusen/Alemanha); Henry em 2006 (Arsenal/França); e Van Bommel e Robben em 2010 (Bayern/Holanda).

- Quanto ao melhor jovem do torneio, Kylian Mbappé, não bateu qualquer recorde mas esteve próximo, tornando-se o terceiro jogador mais jovem de sempre a disputar a final de um Mundial e o segundo mais jovem a marcar num jogo decisivo, com 19 anos e 207 dias. Pelé continua a ser o detentor de ambos os recordes, estabelecidos em 1958 (17 anos e 249 dias).

- 19 são os anos de Mbappé mas também o número de jogos em que N'Golo Kanté e Paul Pogba partilharam a titularidade no meio-campo francês, com um registo invicto: 15 vitórias e quatro empates. O médio do Manchester United foi o primeiro jogador dos red devils a marcar na final de um Mundial.

- Mario Mandzukic tornou-se o segundo jogador a marcar na própria baliza e na do adversário num jogo do Mundial, sucedendo ao holandês Ernie Brandts num encontro diante da Itália, em 1978. O avançado croata, que vai ser companheiro de Cristiano Ronaldo na Juventus, é apenas o quinto da história a marcar numa final de Campeonato do Mundo e de Liga dos Campeões, sucedendo a Ferenc Puskas, Zoltan Czibor, Gerd Muller e Zinedine Zidane.

- Desde 2002, quando o Brasil arrecadou o troféu, que uma seleção não vencia o Campeonato do Mundo sem necessidade de jogar qualquer prolongamento ao longo da competição.

- Griezmann, o homem do jogo da final para a FIFA, sucede ao compatriota Zidane (2006), que tinha sido o último a marcar de grande penalidade na final de um Campeonato do Mundo.

- Desde 1982 que o Bayern Munique tem sempre jogadores em campo na final de um Mundial: Espanha 1982: Paul Breitner, Wolfgang Dremmler e Karl-Heinz Rummenigge (Alemanha); México 1986: Lothar Matthäus, Norbert Eder e Dieter Hoeness (Alemanha); Itália 1990: Klaus Augenthaler, Jürgen Kohler e Stefan Reuter (Alemanha); Estados Unidos 1994: Jorginho (Brasil); França 1998: Bixente Lizarazu (França); Coreia do Sul/Japão 2002: Oliver Kahn e Jens Jeremies (Alemanha); Alemanha 2006: Willy Sagnol (França); África do Sul 2010: Arjen Robben, Mark van Bommel e Edson Braafheid (Holanda); Brasil 2014: Manuel Neuer, Jérôme Boateng, Thomas Müller, Philipp Lahm, Bastian Schweinsteiger, Toni Kroos e Mario Götze (Alemanha); e Rússia 2018: Corentin Tolisso (França).

- Os bávaros, porém, não estão sozinhos nesse registo. O Inter de Milão também tem estado representado em todas as finais desde 1982: Giuseppe Bergomi, Gabriele Oriali e Alessandro Altobelli (Itália) em 1982; Karl-Heinz Rummenigge (Alemanha) em 1986; Andreas Brehme e Lothar Matthäus (Alemanha) em 1990; Nicola Berti (Itália) em 1994; Ronaldo (Brasil) e Youri Djorkaeff (França) em 1998; Ronaldo (Brasil) em 2002; Marco Materazzi (Itália) em 2006; Wesley Sneijder (Holanda) em 2010; Rodrigo Palacio (Argentina) em 2014; e Marcelo Brozović e Ivan Perišić (Croácia) em 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.