Bruno de Carvalho em Alvalade para tentar retomar a presidência

SIC Notícias adianta que um Tribunal de Lisboa cancelou efeitos da Assembleia Geral de destituição de 23 de junho. Bruno de Carvalho está em Alvalade a querer tomar posse

Bruno Carvalho está esta sexta-feira em Alvalade não para entregar uma providência cautelar que anula a Assembleia Geral destitutiva de 23 de junho, mas sim para dar conta que fez o registo de uma impugnação dessa AG, não havendo qualquer decisão dos tribunais, apurou o DN.

A Polícia de Segurança Pública esteve no local.

A Comissão de Gestão recebeu Bruno de Carvalho para ver o que consta na providência cautelar. Segundo um jurista contactado pelo nosso jornal e que pediu anonimato, mesmo que o tribunal anule a Assembleia Geral de destituição, Bruno de Carvalho não deverá voltar a ser presidente do Sporting, pois os tribunais já tinham declarado como legítima a Comissão de Fiscalização que suspendeu Bruno de Carvalho e a Comissão de Gestão que o substituiu. Ou seja, à data da realização da AG, BdC já se encontrava suspenso por órgãos legitimados pelos tribunais.

Entretanto, o Expresso avança que Bruno de Carvalho foi expulso das instalações de Alvalade pela Comissão de Gestão, que considerou que o documento apresentado não tinha qualquer validade.

No entanto, a existir a possibilidade de voltar à presidência dos leões, teria de ter quórum no Conselho Diretivo, que na altura estava preso por um elemento. E recorde-se que Carlos Vieira, Luís Gestas, Luís Roque, José Quintela e Rui Caeiro, cinco dos elementos que seguravam a direção, integraram depois uma lista às eleições de dia 8 de setembro, concorrente à de Bruno de Carvalho e liderada pelo antigo vice-presidente para a área financeira.

Tanto a lista de Bruno de Carvalho como a de Carlos Vieira foram inicialmente recusadas por Jaime Marta Soares, por os candidatos se encontrarem suspensos. Entretanto, o presidente da MAG recebeu a candidatura de BdC depois de se saber do resultado de uma providência cautelar, mas acabou por a rejeitar. Nesta altura, estavam confirmados sete candidatos: José Maria Ricciardi, Frederico Varandas, Pedro Madeira Rodrigues, João Benedito, Dias Ferreira, Tavares Pereira e Rui Jorge Rego.

Assim sendo, as eleições poderão ser adiadas, mas não canceladas. Refira-se que a Comissão de Gestão, que tomou posse a 16 de junho, não poderá estar à frente dos destinos do clube durante mais de seis meses.

Na quarta-feira, numa sessão de esclarecimento aos sócios na Covilhã, Bruno de Carvalho mostrava-se confiante no resultado da sentença. "Acredito que o tribunal vai dar-me razão! Estão ilegais!"

O que é uma providência cautelar?

Uma providência cautelar é um procedimento previsto no Código do Processo Civil em que se visa assegurar a rápida defesa de direitos ou interesses que, com a habitual demora dos processos em tribunal, podem ficar irremediavelmente prejudicados. A pessoa que a requer pretende com este meio que uma decisão judicial trave a execução de, por exemplo, uma obra ou uma deliberação social, como é o caso nesta situação do Sporting. Destina-se a assegurar a efetividade do direito ameaçado antes de uma decisão judicial definitiva por se temer que quando esta venha a ser tomada já haja perdas irremediáveis.

O procedimento para a aplicação de uma providência cautelar é simplificado e tem natureza urgente. Pode mesmo dispensar a audição da parte contra quem é dirigido se o juiz entender que isso deixe em risco o fim ou a eficácia da providência.

A lei prevê vários procedimentos cautelares, dependendo da lesão existente e do direito que se pretende acautelar. Pode ser a restituição provisória da posse, a suspensão de deliberações sociais, o arresto, o embargo de obra nova, entre outros. Exemplos recentes remetem para a exploração de petróleo. Há dias o Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé deferiu a providência cautelar interposta pela Plataforma Algarve Livre de Petróleo para travar o furo de prospeção de petróleo previsto ser feito a partir de setembro em Aljezur. Esta decisão impede o projeto de avançar já, com decisão definitiva a ser tomada futuramente numa ação principal que irá correr em tribunal.

em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.