De Maradona a João Pinto. Os ídolos e os jogadores que marcaram Sérgio Conceição

Treinador do FC Porto fala de temas do passado e do presente em entrevista ao Magazine da Liga dos Campeões. "Quero que os meus jogadores sejam apaixonados pelo jogo", revela

Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, concedeu uma entrevista ao Magazine da Liga dos Campeões da UEFA e falou de vários assuntos, do passado ao presente. Entre várias revelações, o técnico de 43 anos falou dos seus ídolos de infância e dos jogadores dos dragões que o marcaram. Aqui ficam alguns excertos da entrevista já publicados pelo site do FC Porto

Ídolos de infância
"Gostava muito de Diego Maradona, da forma como ele abordava o futebol, como se fosse futebol de rua, pensando sempre fora da caixa. Acho que essa é a essência do futebol. Como jogador, eu era muito rígido e disciplinado, mas o futebol também precisa de ser encarado com um pouco de irreverência e ele personificava essa irreverência. Depois, quando fui para o FC Porto aos 16 anos, passei a admirar jogadores como João Pinto, Jaime Magalhães, Fernando Gomes ou Rabah Madjer, as grandes figuras do FC Porto."

Melhores companheiros de equipa
"Joguei com grandes jogadores como Ronaldo, Vieri, Cannavaro, Buffon, Simeone e Nesta. Na minha primeira passagem pelo FC Porto como jogador, gostava de destacar o João Pinto, um jogador que não era forte tecnicamente mas que encarnava o espírito do clube. Como disse antes, um jogador não precisa de ser dotado tecnicamente para ser um grande jogador. Devem ter outros atributos e o João Pinto tinha-os."

Condições necessárias para o sucesso
"Os jogadores precisam antes de mais de ter qualidade, isso é fundamental. Tudo o resto pode ser trabalhado e melhorado. Porém, há mais um aspeto crucial que os jogadores não devem perder para chegar ao nível mais alto: paixão pelo jogo. Precisas de ser apaixonado pelo que fazes, sobretudo os jogadores de futebol e a sua abordagem ao treino. Quero que os meus jogadores sejam apaixonados pelo jogo."

O talento não chega
"É possível que um jogador consiga ter uma carreira graças apenas ao seu talento, mas não existem muitos casos desses na história do futebol. Existem outras características essenciais que devem estar lado a lado com o talento para que um jogador tenha sucesso."

A filosofia de jogo do FC Porto
"Não mudamos o nosso jogo consoante o adversário. Temos a nossa própria filosofia, a nossa identidade e o nosso estilo de jogo. Ainda assim, conhecer as forças e fraquezas do adversário é essencial para vencer um jogo. A estratégia tem a ver com o adversário, em certa medida, mas o mais importante é a nossa identidade."

O grupo na Liga dos Campeões
"É similar ao da época passada. Vamos defrontar o campeão turco, o segundo classificado do Campeonato alemão e o campeão russo. É um grupo muito equilibrado e qualquer equipa pode vencer o grupo ou terminar em ultimo. Vai ser interessante, seguramente. As equipas têm um nível semelhante e a qualificação vai ser mais difícil devido a esse cenário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...