Ronaldo, Modric e Salah são os três candidatos a melhor do mundo

Lionel Messi, do Barcelona, não ficou no top 3 do prémio "The Best", que é dado pela FIFA

Cristiano Ronaldo, Luka Modric e Mohamed Salah são os três finalistas do prémio "The Best", da FIFA, atribuído ao melhor jogador do mundo.

Sem Messi na corrida (pela primeira vez desde 2007), o português, agora jogador da Juventus, vê o ex-colega Modric, do Real Madrid, chegar também aos três finalistas, bem como Salah, que fez uma grande época ao serviço do Liverpool. O prémio é entregue a 24 de setembro, em Londres.

Recentemente, Modric foi eleito melhor jogador do ano para a UEFA, batendo Cristiano Ronaldo, o que causou alguma polémica, até porque o português não foi à gala e Jorge Mendes teceu críticas à situação. Tal como vai acontecer agora com o "The Best", Salah entrou no Top 3.

O português, de 33 anos, que se transferiu esta época para Juventus, foi eleito melhor jogador do mundo em 2008, 2013, 2015, 2016 e 2016/2017. Na época passada, ainda ao serviço do Real Madrid, CR7 venceu a Liga dos Campeões, a Supertaça Europeia, o Mundial de clubes e a Supertaça de Espanha, tendo marcado 44 golos em 44 jogos pelo clube espanhol.

Modric foi eleito favorito para destronar Ronaldo pelo nigeriano Nwankwo Kanu, pelos britânicos Kelly Smith e Sol Campbell e pelo dinamarquês Peter Schmeichel, presentes na cerimónia que revelou os finalistas da terceira edição dos prémios The Best da FIFA.

Nas senhoras, as nomeadas são a brasileira Marta, a alemã Dzsenifer Maroszan e a norueguesa Ada Hegerberg.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.