Como Messi mandava na seleção argentina

Incompatibilizou-se com um adjunto meses antes do Mundial, fez saber que não queria Fazio e Lo Celso no onze titular. Não gostou de perder um jogo futebol/ténis num momento de lazer. O jornal Clarín descreve tudo ao detalhe

Começam a vir à tona alguns detalhes sobre a fracassada campanha da Argentina no Mundial 2018. Há relatos de discussões, nervos e muitas tensões. As principais discussões até foram entre o selecionador Jorge Sampaoli e o seu adjunto Sebastián Beccacece. Foi precisamente com este adjunto que Messi discutiu em março de 2018 na véspera de um particular, em Manchester, com a Itália.

Durante o treino Sebastián Beccacece aproximou-se de Messi, pôs a mão em cima do ombro do avançado, e aconselhou-o: "Leo assim não. É melhor ires por outro lado." Messi não reagiu mas, segundo o jornal Clarín, horas mais tarde pediu a Sampaoli para que o seu adjunto não voltasse a repetir semelhante atitude.

Até à estreia no Mundial com a Islândia, parecia claro aos olhos de todos que Sampaoli iria apostar no central Fazio e no extremo Lo Celso. Um fonte do Clarín deu uma pista aquele jornal sobre as razões da mudança: "Se vês algo que parecia que ia acontecer e de repente houve uma mudança de planos isso tem a ver com algo que o '10' tenha dito."

O Clarín adianta que falou com diversas fontes e estas atribuem toda a responsabilidade a Messi, pois este criticava a forma como Fazio construía jogo e também a qualidade de passe do extremo do Paris Saint-Germain. Sobre Lo Celso terá havido uma situação que contribuiu para o facto de não ser propriamente o melhor amigo de Messi. Este não terá gostado de ser goleado por Lo Celso num jogo de lazer que misturava o futebol com o ténis e também não achou muita piada a um túnel feito por Lo Celso durante um treino. O Clarín, no entanto, adianta que falou com pessoas próximas de Messi que desmentem estes relatos....

A autoridade de Sanpaoli começou a desvanecer-se quando manteve uma discussão violenta, à frente de todos os futebolistas, com o seu adjunto Sebastián Beccacece. E quem acalmou a situação foi Mascherano, outro dos líderes de balneário e a quem muitos atribuem, juntamente com Messi, 70% da autoria do onze que alinhou diante do crucial encontro com a Nigéria.

A verdade é que o ambiente não era bom, continua a não ser, mesmo depois do Mundial, visto que Sampaoli ainda não rescindiu e Messi continua sem declarar se se mantém ao serviço da sua seleção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).