Benfica goleia Futsal Azeméis e está nas meias-finais da Taça da Liga

Encarnados ganharam por 7-1 e vão agora defrontar o Modicus

O Benfica venceu esta sexta-feira o Futsal Azeméis por 7-1, em jogo dos quartos-de-final da Taça da Liga de futsal, garantindo o apuramento para as meias-finais de uma prova que ganhou na última época.

O Benfica, líder do campeonato, marcou por Raul Campos, no primeiro minuto, e ampliou a vantagem por Robinho (sete minutos). Aos 15, Emerson reduziu para o Futsal Azeméis e, já no segundo tempo, avolumou-se a vantagem 'encarnada', com golos de Bruno Coelho (27 e 35), André Coelho (32) e um bis de Chaguinha (38 e 39), que deixou o resultado final em 7-1.

Com este triunfo, a equipa de Joel Rocha garantiu o apuramento para as meias-finais da Taça da Liga, onde vai defrontar o Modicus, terceiro classificado da liga portuguesa.

O Futsal Azeméis optou por começar o encontro a jogar com guarda-redes avançado e o Benfica foi lesto a aproveitar o primeiro deslize do atual 10.º classificado do campeonato, recuperando a bola a meio-campo e colocando Raul Campos na 'cara' do golo, que sem dificuldade fez o 1-0.

Aos sete minutos, com o Benfica instalado no controlo da partida, o 2-0 chegou por intermédio de Robinho, num remate de longe que bateu o guarda-redes Cristiano.

O Futsal Azeméis não se retraiu com a vantagem das 'águias' e procurou sempre o golo, optando muitas vezes por jogar com o guarda-redes avançado e acabando por ser compensado à passagem do minuto 15, com Emerson a aproveitar a passividade da defesa 'encarnada' para picar a bola sobre Roncaglio.

Na segunda parte, o Benfica optou por 'congelar' o jogo e explorar o contra-ataque e, num desses lances, depois de Chaguinha 'sentar' o defesa do Azeméis, Bruno Coelho atirou para uma baliza deserta, fazendo o 3-1.

Aos 32, André Coelho correspondeu da melhor maneira a um livre lateral convertido por Henmi e, de primeira, rematou para a baliza defendida por Cristiano, fazendo o 4-1.

Dois minutos depois, o Benfica atingiu os números de goleada. A castigar a sexta falta do Azeméis na segunda parte, Bruno Coelho converteu exemplarmente o livre direto, fez o 5-1 e bisou na partida.

Aos 37, foi a vez de Chaguinha inscrever o nome na lista de marcadores. Num forte remate cruzado, o ala fez o primeiro da conta pessoal e, segundos depois, fez o 7-1, num lance que concretizou antes do meio-campo, aproveitando o facto de o Azeméis jogar com guarda-redes avançado.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.