Claudio Ranieri é o treinador de Madeira Rodrigues

Candidato às eleições do Sporting diz que conseguiu seduzir o italiano para o seu projeto. José Peseiro deixará assim o Sporting se Madeira Rodrigues for eleito

Pedro Madeira Rodrigues oficializou esta quinta-feira a sua candidatura à presidência do Sporting, cujas eleições estão marcadas para o dia 8 de setembro. É o terceiro nome a avançar, depois de Fernando Tavares Pereira, empresário de Coimbra, e Frederico Varandas, antigo médico dos leões. João Benedito e Dias Ferreira são outros possíveis candidatos.

O candidato anunciou que o italiano Claudio Ranieri será o seu treinador. Ou seja, José Peseiro será dispensado se Madeira Rodrigues vencer as eleições "Contratarei um grande treinador que vai colocar o Sporting no caminho das vitórias. O Sporting vai apostar na formação, deve ser o nosso ADN. Vamos já retomar o projeto da equipa B, que tão bons resultados deu. Temos de recuperar o tempo perdido. Teremos um Sporting com capacidade financeira para termos equipas competitivas", disse.

"Queria falar com todo o respeito por Peseiro, uma grande pessoa, um bom treinador, muito bom homem e que percebeu perfeitamente a minha escolha. É importante que haja escolha no dia 8. Há muito tempo que sonho trazer para o Sporting um treinador como Ranieri. Hoje, mais do que nunca, sinto que é este o perfil de que Portugal precisa. Consegui seduzir Ranieri pelo nosso projeto, partilha os nossos valores, partilha a nossa visão e partilha esta vontade de trazer vitórias para o Sporting, vitórias que merecemos há muito tempo", acrescentou.

Claudio Ranieri, 66 anos, treinou clubes como Nápoles, Fiorentina, Valência, Atlético de Madrid, Chelsea, Parma, Juventus, Roma, Inter Milão, Mónaco e Leicester. Aliás, o maior feito da sua carreira foi alcançado no clube inglês, quando na época 2015/16 se sagrou campeão inglês. A época passada treinou o Nantes, da I Liga francesa.

"Sou candidato à presidência do grande Sporting Clube de Portugal. Não podia voltar a cara a este grande desafio para o qual estou preparado. Comigo o grande Sporting será cada vez mais uma referência mundial em valores, visão e vitórias. Trago investimento financeiro que garante que o Sporting continuará nas mãos dos sócios", referiu durante o anúncio da sua candidatura.

"Somos hoje alvo de investigações relacionadas com suspeitas graves, contas, sacos azuis, isto é uma vergonha. Vivemos a 15 de maio o dia mais negro da historia do clube. O Sporting andou nas bocas do mundo pelas piores razões. O que se passou em Alcochete foi uma vergonha, uma mancha na nossa história", atirou.

O candidato às eleições do dia 8 de setembro abordou ainda as rescisões de contrato de vários jogadores: "O que interessa é olhar para o futuro. Esta questão das rescisões... Ranieri pediu-me para avançar rapidamente. Pode ser que os jogadores aceitem ficar sabendo que eu venho aí. Os jogadores cresceram no Sporting, como eu. Mas ainda há tempo para voltarem atrás. Se não derem compensação financeira, que voltem para o clube, para ajudarem o grande Sporting".

Nas eleições de de março de 2017, Pedro Madeira Rodrigues foi derrotado, tendo recolhido 9,49% dos votos, contra os 86,13% de Bruno de Carvalho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.