Bruno Lage volta a apelar ao respeito pelos adversários

No final da receção do Benfica na Câmara de Lisboa, o treinador campeão nacional disse estar "orgulhoso" pela referência que Presidente da República lhe dedicou e voltou a defender que "é preciso dar outro sentido à nossa sociedade"

O discurso de Bruno Lage na festa do Benfica no Marquês de Pombal, no qual apelou ao respeito pelos adversários quando se dirigiu aos adeptos, mereceu os elogios do Presidente da República Marcelo Rebelo Sousa, algo que deixou o treinador dos encarnados "orgulhoso".

"O que eu disse foi expontaneo. Quis aproveitar o momento para dizer ao nosso público que é preciso dar um passo em frente noutro sentido. É um enorme orgulho ver que o nosso Presidente da República, uma pessoa respeitada em todo o mundo, fazer-me uma referência. Sou um homem comum que acha que temos de dar um outro sentido à nossa sociedade e, sobretudo, ao nível desportivo", disse após a cerimónia na Câmara Municipal de Lisboa, onde os campeões nacionais foram homenageados por Fernando Medina, presidente do município.

"A mudança depende de nós e nós, benfiquistas, que com esta conquista temos de dar o primeiro passo, que passa por respeitar o símbolo das outras equipas e chamá-las pelo nome. Estou convicto que podemos dar esse passo, mas isso não invalida que queira continuar a ganhar. Mas é preciso chamar FC Porto, Sporting, Sp. Braga... eu às vezes digo Vitória de Guimarães, porque sou de Setúbal, às vezes cometo essa gaffe, pois estou habituado a que o Vitória seja de Setúbal. Temos de começar por aí, respeitar quem ganha e quem perde", frisou Bruno Lage.

Refira-se que durante a cerimónia nos Paços do Concelho, Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, destacou os vários troféus que os clubes de Lisboa têm conquistado nas mais diversas modalidades e formulou o desejo de no próximo fim de semana o Sporting, outro grande clube da cidade, poder conquistar a Taça de Portugal. Um momento aplaudido por Bruno Lage e outros elementos da comitiva benfiquista, mas que mereceu alguns assobios por parte dos adeptos que assistiam ao discurso no exterior do edifício.

"Há que celebrar, viver com sentido público e civismo"

Ainda na cerimónia, Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, tinha, em jeito de brincadeira, que dito que a facilidade de discurso de Bruno Lage podem ameaçar alguns políticos. Bruno Lage sorriu e respondeu com boa disposisão: ""Até vim de fato por causa disso! Com fato e bom discurso nunca se sabe onde podemos parar."

Mais a sério, o treinador tentou esclarecer algumas coisas que disse nos últimos tempos. "É o sentimento que vou tendo sobre as coisas. Houve muita gente que não percebeu (ou que não quis perceber) quando falei nas amolgadelas e nas palmadas no carro... Nós temos de ser equilibrados na nossa vida, porque se a ganhar permito tudo, até umas porradas no carro, amanhã quando perco estarei à espera de tudo, que me possam partir aquilo que quiserem. Tem de haver um equilíbrio muito grande. A ganhar partimos a porta de um balneário, partimos uma mesa, cadeira... Depois a perder estamos a abrir a porta para que as coisas sucedam ao contrário. Há que celebrar, viver com sentido público e civismo. É assim que tem ser vivido. São coisas que sinto e é de mim, nunca com intenção política", frisou em declarações à BTV.

O futuro "mais fortes" e a oportunidade a Taarabt

Bruno Lage admitiu que vai "guardar" estes momentos de celebração do 37.º título e que está a vivê-los "intensamente". "Já nos pedem o 38, é essa exigência de um grande clube, mas o mais importante agora é viver o 37. E saber que a vida é isto mesmo. Da maneira que chegamos aqui, foi de treino a treino, jogo a jogo, e a nossa vida pessoal é assim também. Vou guardar este momento com uma enorme felicidade", disse.

Questionado sobre se quem treina o Benfica arrisca-se a ser campeão, Bruno Lage admitiu que essa ideia faz sentido: "Essa é uma máxima do senhor Mário Wilson e confirmou-se. Fizemos uma segunda volta fantástica, fruto do trabalho dos jogadores. Mais importante da reconquista dos adeptos e do campeonato, de continuar o trabalho do Rui Vitória, quero deixar uma palavra para o plantel, que deu uma segunda oportunidade ao Adel Taarabt. Este público cantou que o Adel era campeão. O Adel é campeão porque o grupo lhe deu uma segunda oportunidade. Não foi o treinador. O treinador entendeu que o grupo queria dar-lhe uma segunda oportunidade. E isso é motivo de enorme orgulho."

Sobre o futuro deixou já algumas pistas: "Não tenho dúvidas de que voltaremos mais fortes e determinados, conscientes da responsabilidade de termos vencido um e termos de recuperar para ter o próximo. Quero dizer a este público para viver de forma efusiva o que conquistaram. Depois teremos tempo para preparar o que aí vem. Viver o momento, guardá-lo de uma forma carinhosa, porque é um momento inesquecível."

Ler mais

Exclusivos