Bruno de Carvalho promete "Estádio inteligente", quer 250 mil sócios e título europeu no futebol

Presidente destituído é o quinto candidato à presidência do Sporting.

Na apresentação da sua candidatura, Bruno de Carvalho lembrou o seu legado dos últimos cinco anos, não esqueceu os erros cometidos, e deixou várias promessas. Foi um Bruno de Carvalho diferente aquele que surgiu esta quarta-feira num hotel em Lisboa para dar a conhecer os pormenores desta sua recandidatura. Mais solto, menos carregado e de energia revigorada.

"A reflexão que fiz foi importante para melhorar o que de menos bom foi feito, e não cometer os erros em que incorri", começou por dizer o antigo presidente. Mais umas palavras sobre o trabalho feito no passado, e explicou porque volta a ir a votos: "O Sporting precisa de um líder que o ame e respeite incondicionalmente".

Depois vieram as propostas para o futuro. Uma das ideias onde gastou uma grande parte da sua apresentação prendeu-se com a promessa de um Estádio inteligente com muitas mudanças em Alvalade: o aumento do número de portas, novos ecrãs, linhas digitais nos vários anéis e ainda wi-fi gratuito, entre outras medidas.

O ex-presidente continuou com um discurso voltado para os associados com algumas frases chave: "O Sporting quer-se dos sócios e para os sócios. Não existe ADN sem sócios". E por isso promete passar dos atuais 160 mil sócios para os 250 mil, com mais um conjunto de medidas, como a intenção de fazer regressar o rugby masculino e basquetebol sénior para breve, a recuperação financeira que levou a cabo e garantiu criar condições para um título europeu no futebol.

Entre ideias, aplausos e gritos por "Bruno", ficou a faltar um plano mais concreto e detalhado para o futebol profissional.

A verdade é que esta candidatura continuará em stand-by, uma vez que Bruno de Carvalho continua suspenso de sócio. Questionado várias vezes sobre este facto, o potencial candidato foi contornando as perguntas explicando que esses esclarecimentos poderão ser dados pelo seu advogado mais tarde.

Frases marcantes da apresentação:

"O Sporting precisa de um líder que o ame e respeite incondicionalmente".

"O Sporting quer-se dos sócios e para os sócios"

"Queremos chegar aos 250 mil associados e promover cada vez mais a sua aproximação ao clube"

O nosso objetivo é trabalhar mais e melhor, para ultrapassar o Barcelona em número de títulos europeus.

"Um dos nossos fortíssimos objetivos será conquistar um troféu europeu no futebol, algo que só conseguimos em 1963/64 com a Taça das Taças".

"Espero que haja o máximo de candidatos possíveis. Isto demonstra que o Sporting está com muito dinamismo".

"Não contem comigo nem nenhum dos membros dos órgaos sociais para atrapalhar aquilo que é a vida do Sporting Clube de Portugal até dia 8 de setembro".

Os nomes que o acompanham

Bruno de Carvalho apresentou também os nomes que compõem a sua lista às eleições de 8 de setembro. A Mesa da Assembleia Geral é liderada por Trindade Barros, e conta ainda com José Carlos Estorninho, João Trindade, Pedro Miguel, Roberto de Carvalho, David Martins e Alexandre Guerreiro.

Para o Conselho Fiscal e Disciplinar foram anunciados os nomes de Subtil de Sousa, como presidente, e ainda Pedro Carvalho, Nuno La Féria, Vítor Afonso, Afonso Pinto Coelho, Miguel Fonseca, Rúben Loureiro, José Luís Barros e Fernando Carvalho.

Para a Direção, a lista inclui Alexandre Godinho (transita da anterior equipa diretiva), Pedro Lopes Ferreira, Eric Alkurge, Luís Paulo Rodrigues, Fernando Santos, Rui Henriques e Francisco Sá Carneiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.