Pichardo renova com o Benfica e garante: "Só tenho uma nacionalidade. Sou português"

O atleta nascido em Cuba, atual líder do ranking mundial do triplo salto e recordista nacional, estendeu o contrato com as águias até 2022 e falou dos seus objetivos para o futuro

Pedro Pablo Pichardo, líder mundial do triplo salto, renovou esta sexta-feira o seu vínculo com o Benfica, estendendo o seu contrato até 2022, mais dois anos do que o anterior compromisso. Trata-se de um prolongamento que visa a estabilidade competitiva do atleta e que vai para lá dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

"Esta renovação significa dar continuidade à relação que o Benfica tem com o Pedro [Pichardo], nunca tendo dúvidas da sua qualidade e pretendendo ajudá-lo na execução dos seus objetivos", disse o vice-presidente do Benfica, Fernando Tavares.

"Já estávamos há muito a tratar desta renovação, ela não surgiu agora. O Pedro Pichardo já não é o mesmo que aquele que aqui surgiu pela primeira vez, está muito mais enraizado no clube e no país, que agora tem a certeza de poder vir a representar, a partir de agosto de 2019, o que é um fator muito positivo para o atletismo mundial", referiu o vice presidente encarnado.

Pedro Pichardo, líder mundial do triplo salto com a marca de 17,95 metros, atual recorde de Portugal, foi o vencedor da Liga Diamante 2018, e no final da prova foi ao pódio com a bandeira portuguesa. "Foi um momento fantástico. Ainda estava a comemorar o meu triunfo, pois era um sonho ganhar a Liga Diamante, para mais derrotando o Christian Taylor, que venceu nos últimos anos. Interromper esse ciclo estava a ser fantástico e quando um oficial me deu a bandeira portuguesa tomei como um sinal de que poderia vir aí boas notícias para poder competir por Portugal", referiu Pedro Pichardo, que ainda não sabe cantar totalmente o hino nacional português, mas afirma estar a aprender e até mesmo já sabe algumas frases.

"Eu só tenho uma nacionalidade. Cuba não admite duplas nacionalidades e eu sou português. Como português, os meus objetivos passam por alcançar os melhores resultados em Jogos Olímpicos, Campeonatos Mundiais e Europeus. O recorde do mundo é objetivo", disse o atleta que agora vive na Margem Sul e pode treinar mais tranquilamente para obter esses objetivos.

Para a diretora do atletismo e do Projeto Olímpico do Benfica, Ana Oliveira, "o dia de hoje assinala muito mais que a renovação do Pedro Pichardo". "Assinala a tranquilidade e a estabilidade que há anos o atleta não tinha. Tem a família, treina com o pai, que foi sempre o seu interesse. Ainda não poderá participar Portugal no próximo Europeu de pista coberta, mas estará empenhado nos objetivos do clube, desde nacionais a internacionais, e já provou estar motivado para poder atacar todos os recordes", afirmou a diretora

Sobre os apoios dados por Portugal, na sequência de uma entrevista em que referiu que a Federação Portuguesa de Atletismo não lhe dava apoio, Pichardo refere que tudo está a ser tratado pelo clube e pelo seu treinador, focando-se apenas nas questões de treino e de competição, embora agora esteja a cumprir um período de férias. Na conferência não se escusou a responder, mesmo a temas quentes, nomeadamente, a um post no Instagram, dirigido a Nelson Évora, dizendo que "sem mim é mais fácil".

"As pessoas que me conhecem sabem que sou muito brincalhão no dia-a-dia. Estou normalmente bem-disposto e naquele dia coloquei aquele post por brincadeira, sem qualquer maldade. Tenho competido muito com o Nelson Évora e com o Christian Taylor, existe grande rivalidade, mas apenas para tentarmos estar sempre melhor", referiu Pedro Pichardo.

"Quando estiver no Mundial, quando estiver numa seleção de Portugal, não haverá razões para ter problemas. Da minha parte só quero trabalhar para representar da melhor maneira possível o meu país", concluiu o atleta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.