Bas Dost regressa e Luiz Phellype estreia-se nos convocados do Sporting

Ausentes dos 18 jogadores chamados por Marcel Keizer estão Acuña, castigado, Montero, devido a lesão, e Miguel Luís

O avançado holandês Bas Dost regressou aos convocados do Sporting, divulgados esta sexta-feira, para a receção ao FC Porto, da 17.ª jornada da I Liga de futebol, nos quais se destaca também a estreia do brasileiro Luiz Phellype.

Bas Dost, segundo melhor marcador do campeonato, com 10 golos, sofreu um traumatismo craniano no encontro com o Belenenses (2-1), na 15.ª ronda da prova, e falhou a partida de segunda-feira, em Tondela, na qual a equipa lisboeta saiu derrotada, pelo mesmo resultado.

Luiz Phellype, avançado contratado ao Paços de Ferreira, após a reabertura do mercado de transferências, integra pela primeira vez os eleitos do treinador holandês Marcel Keizer, que promoveu também o regresso do cabo-verdiano Jovane Cabral para o clássico de sábado.

Entre as saídas relativamente à lista de convocados para o jogo com o Tondela, destacam-se a do defesa argentino Marcos Acuña, que cumprirá um jogo de suspensão frente ao campeão nacional, do avançado colombiano Fredy Montero, devido a lesão, e do médio Miguel Luís.

O Sporting, quarto classificado da I Liga, com 34 pontos, defronta no sábado o líder FC Porto, que tem 42, em jogo da 17.ª jornada da prova, última da primeira volta, no Estádio José Alvalade, em Lisboa, com início às 15:30.

Lista de 18 convocados do Sporting:

Guarda-redes: Salin e Renan Ribeiro.

Defesas: Bruno Gaspar, Sebastián Coates, Mathieu, Jefferson, André Pinto e Ristovski.

Médios: Petrovic, Gudelj, Bruno Fernandes e Wendel.

Avançados: Nani, Bas Dost, Luiz Phellype, Jovane Cabral, Raphinha e Diaby.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.