As imagens das eleições mais concorridas da história do Sporting

João Benedito foi o primeiro candidato a votar. Tavares Pereira o último. Por Alvalade passaram centenas de figuras ligadas ao clube no dia em que vai ser eleito o 43.º presidente da história dos leões

As urnas já encerraram em Alvalade com a chegada das 19.00. Votaram 22.510 sócios (votos de correspondência incluídos) e foi batido o recorde do clube.

Desde as 9.00 horas, logo quando abriram as urnas, formaram-se grandes filas. João Benedito, da lista A, foi o primeiro candidato a exercer o seu direito de voto. Tavares Pereira o último. Por Alvalade passaram centenas de figuras ligadas ao clube, desde atletas a antigos dirigentes, passando por notáveis.

Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia Geral, foi a última pessoa a votar, cerca de 15 minutos depois das 19.00. Agradeceu aos funcionários do Sporting, destacou o civismo dos sócios e disse que o processo decorreu de forma muito fácil.

"Ganhe quem ganhar, será o meu presidente. Quem perder deve ficar logo de imediato ao lado do presidente, deixar-se de guerrilhas e destes ruídos todos, que só servem para complicar a vida dos sportinguistas", apelou a meio da tarde Sousa Cintra, presidente da SAD, após exercer o direto de voto.

"Este ato eleitoral tem decorrido com muito civismo, não têm acontecido casos de maior, as pessoas têm-se respeitado, os candidatos e as suas equipas também. Tem decorrido tudo muito bem e é motivo para estar satisfeito. Vai ser a maior enchente de sempre, um recorde. Isto mostra a vitalidade do clube, que está cheio de força e tem que se manter", declarou.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.