As frases que marcaram o dia eleitoral do Sporting

Entre candidatos, dirigentes, notáveis e antigos presidentes, quase ninguém faltou à chamada. Recorde aqui o que foi dito aos longo do dia

"Acredito que pode haver união porque as pessoas têm bom senso, são todos sportinguistas que querem o bem do Sporting acima de qualquer outra coisa. Bruno de Carvalho? Não comento nada que tenha a ver com figuras do passado [...] Há uma auditoria forense que está em curso e que vai divulgar os seus resultados. O Sporting tem a capacidade, o número de simpatizantes, três milhões, o número de sócios, pessoas espalhadas por todo o país e por todo o mundo, capazes de responder por mais difícil que a situação seja. é necessário inventariar claramente a verdadeira situação, e isso vai durar alguns meses, e daí tirar consequências a curto e médio prazo"

Ferro Rodrigues, Presidente da Assembleia da República

"É um dia muito importante para o Sporting. Apelo ao voto das pessoas que estão lá em casa, que venham todas votar. É um sinal de vitalidade, chegar aqui às 09:00 da manhã e ver já gente na fila antes de abrirem as portas para o ato eleitoral. Está tudo extremamente organizado, venham, sintam-se orgulhosos daquilo que é a organização do Sporting, daquilo que é o nosso clube para que possamos, já hoje, começar a construir o futuro do clube"

João Benedito, candidato da Lista A

"Que seja eleito um presidente a sério, que seja dinâmico, que respeite todos os sportinguistas e, acima de tudo, o desporto português. O debate podia ter sido mais rico, mas qualidade não falta a todos os candidatos para pôr a dinâmica sportinguista a funcionar, com verdade desportiva, com coerência e, acima de tudo, com a qualidade que todos os sportinguistas esperam. As modalidades estão bem estruturadas, cada vez mais fortes e a ganhar cada vez mais e estou descansado que nenhum presidente quererá perder essa oportunidade, senão será um mau presidente"

Carlos Lopes, antigo atleta do Sporting

"É mais um dia em que se vê a grandeza do Sporting. Fico emocionado. É um clube gigante. A fila dá a volta ao estádio e continuam a chegar pessoas. Apelo a que venham ainda mais. Tenho a certeza que vai ser o ato eleitoral com mais presença na história do Sporting", afirmou o candidato pela lista D, após exercer o direito ao votos"

Frederico Varandas, candidato da Lista D

"O Sporting mostra à sociedade portuguesa que é grande e porque é grande: porque conseguimos ter vários candidatos, com várias soluções e também porque tivemos diferentes gerações de candidatos que garantem um futuro risonho para este clube"

Rui Jorge Rego, candidato da Lista E

"Temos uma instabilidade muito grande. Gostaria que houvesse mais estabilidade, mas é o que é e aqui estou. Se ganhar, tentarei dar essa estabilidade, pelo menos nos três ou quatro anos de mandato. Não farei outro mandato seguramente, só farei este, porque entendo que é a hora de fazer a transição para outras pessoas"

Dias Ferreira, candidato da Lista F

"A situação do Sporting é grave. Como se pode ver no relatório, os prejuízos continuam, a situação líquida cada vez é mais negativa, as dividas aos fornecedores são brutais. E, portanto, quero que os sócios, quando forem exercer o seu direito de voto, tenham a absoluta consciência que o que eu disse é rigorosamente verdade. Fico escandalizado com aquilo que assistimos nos últimos dias, através de vocês e de outras pessoas que têm responsabilidades no Sporting"

José Maria Ricciardi, candidato da Lista B

"Estou aqui para ganhar eleições. Mas se não ganhar, também não vou dificultar a vida a outra pessoa que ganhe. O Sporting hoje precisa de todos. E isto hoje é uma grande lição: seis candidatos chegaram ao fim, com muito rigor, com muita responsabilidade, com muito civismo e, portanto, o Sporting, nestas eleições, é que saiu vencedor, com o apoio de todas as candidaturas"

Tavares Pereira, candidato da Lista G

"Ganhe quem ganhar, será o meu presidente. Quem perder deve ficar logo de imediato ao lado do presidente, deixar-se de guerrilhas e destes ruídos todos, que só servem para complicar a vida dos sportinguistas [...] Resolvi os problemas todos. Há algum problema? Não há. O Sporting está em primeiro e até vai ser campeão. Os sócios vieram em massa votar e é um dia feliz para todos os sportinguistas"

Sousa Cintra, presidente da SAD do Sporting

"Custa um bocadinho (viver de fora), mas com uma sensação de consciência completamente tranquila e com a certeza de que fiz o melhor. Dei o sinal de união e espero que o próximo presidente possa ser o presidente da união de todos nós"

Pedro Madeira Rodrigues, candidato que desistiu

"Só espero que as pessoas que estejam à frente do Sporting no futuro tenham a consciência que têm que ter umas finanças sãs e saudáveis para que o clube possa ser sustentável e a SAD seja pertença do Sporting. O meu tempo também foi muito difícil, mas soubemos dar a volta por cima. Deixei o Sporting tão bom ou melhor daquilo que o encontrei, sendo que fui vice-presidente de Dias da Cunha e tenho o maior respeito por ele e por José Roquette e pela obra que os dois ergueram, nomeadamente o estádio e a Academia"

Filipe Soares Franco, ex-presidente do Sporting

"A eleição terminou sem um único conflito ou qualquer tipo de azedume entre os associados. Que grande é a minha satisfação. Foi um ato eleitoral inexcedível, incomparável e uma lição de respeito e democracia"

Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting

"Espero que um dia este clube faça justiça a Sousa Cintra de ser presidente honorário, pois como deixou a vida dele e de manhã até à noite serviu o clube durante três meses é digno de louvor [...] Para além de ser um recorde [votação], foi uma resposta brutal do Sporting Clube de Portugal. A crise que vivemos foi muito sombria e a participação dos sócios na AG de 23 de junho e hoje são uma resposta da instituição Sporting a esta crise, demonstra a vitalidade, o sonho de todos os sportinguistas de fecharem rapidamente esta página e voltarem àquela de honra, respeito, esforço, dedicação, devoção e glória. Será o presidente de nós todos"

Artur Torres Pereira, presidente da Comissão de Gestão

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.