António Simões: "O Benfica nunca mais será igual ao que ajudei a engrandecer"

O campeão europeu pelo Benfica revela ao DN a sua "angústia" pelo processo e-toupeira e defende que "há gente que tem de sair"

António Simões esteve 16 épocas ao serviço do Benfica enquanto jogador, sendo ainda hoje o futebolista mais jovem de sempre a conquistar a Taça dos Campeões. Além do título europeu venceu 10 troféus de campeão nacional e cinco Taças de Portugal de águia ao peito, tendo ainda sido uma das estrelas da seleção nacional no Mundial de 1966, em Inglaterra. Aos 74 anos, não esconde a "mágoa" que o vai acompanhar "para o resto da vida" por ver o seu clube acusado no processo e-toupeira.

Como é que está a lidar com esta acusação do Ministério Público à Benfica SAD, no âmbito do processo e-toupeira?
Não me sinto nada bem com este caso. Estou preocupado, como é óbvio, mas também apreensivo. No entanto, tenho de ser cauteloso e obrigado a aguardar o desenrolar deste processo, com angústia e com ansiedade também.

"Não preciso de qualquer julgamento para afirmar que há gente dentro do Benfica que para mim já está julgada e que contribuiu para esta mancha ao meu clube"

Em sua opinião, quais as consequências que este caso poderá ter para o Benfica?
Tenho alguma esperança que o Benfica não sofra consequências desportivas com aquilo que está a acontecer. Contudo, para mim já houve um castigo ao Sport Lisboa e Benfica porque esta nódoa e esta mancha já ninguém as tira e é por isso que estou tão desgostoso. E digo mesmo que não preciso de qualquer julgamento para afirmar que há gente dentro do Benfica que para mim já está julgada e que contribuiu para esta mancha ao meu clube.

"Em janeiro falei com o senhor presidente Luís Filipe Vieira sobre algumas situações que me estavam a preocupar. Ele sabe do que falamos, mas não vou revelar o que conversámos. E, como tal, para mim não é surpresa aquilo que está a acontecer"

De quem está a falar?
Falo de Paulo Gonçalves, Pedro Guerra e outros, pessoas em quem não me revejo e, como tal, têm de sair do Benfica. Eu quando vou ao estádio assistir aos jogos nem quero vê-los lá a circular. Essas pessoas deviam ser expulsas de sócio, isto independentemente de serem ou não punidas pela justiça. Para mim estão punidas porque envergonharam o meu clube. Posso dizer-lhe que em janeiro falei com o senhor presidente Luís Filipe Vieira sobre algumas situações que me estavam a preocupar. Ele sabe do que falamos, mas não vou revelar o que conversámos. E, como tal, para mim não é surpresa aquilo que está a acontecer.

Dá para perceber que está magoado com toda esta situação...
É uma dor na alma que nunca mais vou esquecer. É uma mágoa enorme em cima de mim, pois esta nódoa já ninguém a tira de cima de mim e fica comigo para o resto da vida. O Benfica nunca mais será igual ao que ajudei a engrandecer ao longo da sua história. E é com a independência que tenho que digo que para mim é insignificante se gostam ou não do que eu digo. Não quero saber se gostam ou não, mas eu defendo o meu clube e digo aquilo que penso. Não é o António Simões, é o António Simões do Benfica que está a falar!

"Não quero saber se gostam ou não, mas eu defendo o meu clube e digo aquilo que penso. Não é o António Simões, é o António Simões do Benfica que está a falar!"

Teve essa conversa com Luís Filipe Vieira. Acha que ele sai afetado junto dos sócios e adeptos na sequência deste caso?
Vai depender do resultado desta acusação... Favorável é que não será! Mas irá sempre depender da Justiça, embora eu não precise do julgamento para reconhecer que não há um vento a favor de Luís Filipe Vieira. O que espero é que ele não venha a ser vítima de gente que não tem respeito pelos valores e pela história do Benfica.

Teme que este caso faça desmoronar todo o trabalho que foi feito no Benfica nos últimos anos?
Espero bem que não, mas há uma história de mais de cem anos, que eu e outros ajudámos a construir, que ninguém pode destruir. Contudo, repito, é uma mancha e uma nódoa nos princípios de honradez e desportivismo de quem serviu o clube. Espero que o Benfica não saia prejudicado desportivamente por quem diz que o serve, pois não é legítimo que se ponha em causa os últimos quatro campeonatos conquistados com o esforço dos jogadores e do treinador. Nada disso pode ser posto em causa por gente que não sabe estar dentro do Benfica.

"Espero que [os patrocinadores] não deixem o clube. Não é uma situação agradável para eles e é natural que estejam expectantes. Se eu fosse presidente de uma dessas marcas estaria, obviamente, obrigado a pensar seriamente neste assunto"

Pela experiência que tem, acha que este caso vai afetar a equipa de futebol esta época?
Ao balneário não vai chegar, pois os jogadores têm uma missão e um pensamento comum a todos eles. E digo isto porque têm tido caráter e força psicológica para não se deixarem afetar por várias situações ao longo dos últimos tempos. E tudo porque quem manda - estou a falar de Rui Vitória - não tem permitido que essas coisas entrem no grupo, que tem de jogar pelo respeito que o Benfica merece.

O caso e-toupeira poderá, em sua opinião, ter reflexos na relação do Benfica com os parceiros e patrocinadores?
Espero que não deixem o clube. Não é uma situação agradável para eles e é natural que estejam expectantes. Se eu fosse presidente de uma dessas marcas estaria, obviamente, obrigado a pensar seriamente neste assunto e a agir em conformidade. Mas acredito que estejam a aguardar com serenidade o desenrolar do caso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.