António Simões: "O Benfica nunca mais será igual ao que ajudei a engrandecer"

O campeão europeu pelo Benfica revela ao DN a sua "angústia" pelo processo e-toupeira e defende que "há gente que tem de sair"

António Simões esteve 16 épocas ao serviço do Benfica enquanto jogador, sendo ainda hoje o futebolista mais jovem de sempre a conquistar a Taça dos Campeões. Além do título europeu venceu 10 troféus de campeão nacional e cinco Taças de Portugal de águia ao peito, tendo ainda sido uma das estrelas da seleção nacional no Mundial de 1966, em Inglaterra. Aos 74 anos, não esconde a "mágoa" que o vai acompanhar "para o resto da vida" por ver o seu clube acusado no processo e-toupeira.

Como é que está a lidar com esta acusação do Ministério Público à Benfica SAD, no âmbito do processo e-toupeira?
Não me sinto nada bem com este caso. Estou preocupado, como é óbvio, mas também apreensivo. No entanto, tenho de ser cauteloso e obrigado a aguardar o desenrolar deste processo, com angústia e com ansiedade também.

"Não preciso de qualquer julgamento para afirmar que há gente dentro do Benfica que para mim já está julgada e que contribuiu para esta mancha ao meu clube"

Em sua opinião, quais as consequências que este caso poderá ter para o Benfica?
Tenho alguma esperança que o Benfica não sofra consequências desportivas com aquilo que está a acontecer. Contudo, para mim já houve um castigo ao Sport Lisboa e Benfica porque esta nódoa e esta mancha já ninguém as tira e é por isso que estou tão desgostoso. E digo mesmo que não preciso de qualquer julgamento para afirmar que há gente dentro do Benfica que para mim já está julgada e que contribuiu para esta mancha ao meu clube.

"Em janeiro falei com o senhor presidente Luís Filipe Vieira sobre algumas situações que me estavam a preocupar. Ele sabe do que falamos, mas não vou revelar o que conversámos. E, como tal, para mim não é surpresa aquilo que está a acontecer"

De quem está a falar?
Falo de Paulo Gonçalves, Pedro Guerra e outros, pessoas em quem não me revejo e, como tal, têm de sair do Benfica. Eu quando vou ao estádio assistir aos jogos nem quero vê-los lá a circular. Essas pessoas deviam ser expulsas de sócio, isto independentemente de serem ou não punidas pela justiça. Para mim estão punidas porque envergonharam o meu clube. Posso dizer-lhe que em janeiro falei com o senhor presidente Luís Filipe Vieira sobre algumas situações que me estavam a preocupar. Ele sabe do que falamos, mas não vou revelar o que conversámos. E, como tal, para mim não é surpresa aquilo que está a acontecer.

Dá para perceber que está magoado com toda esta situação...
É uma dor na alma que nunca mais vou esquecer. É uma mágoa enorme em cima de mim, pois esta nódoa já ninguém a tira de cima de mim e fica comigo para o resto da vida. O Benfica nunca mais será igual ao que ajudei a engrandecer ao longo da sua história. E é com a independência que tenho que digo que para mim é insignificante se gostam ou não do que eu digo. Não quero saber se gostam ou não, mas eu defendo o meu clube e digo aquilo que penso. Não é o António Simões, é o António Simões do Benfica que está a falar!

"Não quero saber se gostam ou não, mas eu defendo o meu clube e digo aquilo que penso. Não é o António Simões, é o António Simões do Benfica que está a falar!"

Teve essa conversa com Luís Filipe Vieira. Acha que ele sai afetado junto dos sócios e adeptos na sequência deste caso?
Vai depender do resultado desta acusação... Favorável é que não será! Mas irá sempre depender da Justiça, embora eu não precise do julgamento para reconhecer que não há um vento a favor de Luís Filipe Vieira. O que espero é que ele não venha a ser vítima de gente que não tem respeito pelos valores e pela história do Benfica.

Teme que este caso faça desmoronar todo o trabalho que foi feito no Benfica nos últimos anos?
Espero bem que não, mas há uma história de mais de cem anos, que eu e outros ajudámos a construir, que ninguém pode destruir. Contudo, repito, é uma mancha e uma nódoa nos princípios de honradez e desportivismo de quem serviu o clube. Espero que o Benfica não saia prejudicado desportivamente por quem diz que o serve, pois não é legítimo que se ponha em causa os últimos quatro campeonatos conquistados com o esforço dos jogadores e do treinador. Nada disso pode ser posto em causa por gente que não sabe estar dentro do Benfica.

"Espero que [os patrocinadores] não deixem o clube. Não é uma situação agradável para eles e é natural que estejam expectantes. Se eu fosse presidente de uma dessas marcas estaria, obviamente, obrigado a pensar seriamente neste assunto"

Pela experiência que tem, acha que este caso vai afetar a equipa de futebol esta época?
Ao balneário não vai chegar, pois os jogadores têm uma missão e um pensamento comum a todos eles. E digo isto porque têm tido caráter e força psicológica para não se deixarem afetar por várias situações ao longo dos últimos tempos. E tudo porque quem manda - estou a falar de Rui Vitória - não tem permitido que essas coisas entrem no grupo, que tem de jogar pelo respeito que o Benfica merece.

O caso e-toupeira poderá, em sua opinião, ter reflexos na relação do Benfica com os parceiros e patrocinadores?
Espero que não deixem o clube. Não é uma situação agradável para eles e é natural que estejam expectantes. Se eu fosse presidente de uma dessas marcas estaria, obviamente, obrigado a pensar seriamente neste assunto e a agir em conformidade. Mas acredito que estejam a aguardar com serenidade o desenrolar do caso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.