Marcel Keizer: "Recebi um convite verbal do Sporting"

Treinador holandês de 49 anos confirmou esta segunda-feira que recebeu um convite dos leões. "Mas ainda não recebi a oferta formal", sublinhou, em declarações aos jornalistas

David Pereira
©  Al Jazira

Marcel Keizer confirmou esta segunda-feira, após a vitória do seu Al Jazira sobre o Al Wasl (2-0) para a liga dos Emirados Árabes Unidos, que foi abordado pelo Sporting para suceder a José Peseiro no comando técnico.

"Recebi um convite verbal do Sporting para ser treinador da equipa, mas ainda não recebi a oferta formal", afirmou aos jornalistas, em declarações reproduzidas pelo jornal O Jogo.

O treinador de 49 anos referiu, porém, que ainda é treinador da equipa árabe, até porque não houve ainda uma oferta formal. "Não aceitei nem recusei a proposta porque ainda não foi formalizada. Vamos esperar e não posso dizer mais sobre um convite apenas verbal", frisou.

Keiser é um antigo jogador (atuava como médio) formado no Ajax, que teve uma carreira mediana como futebolista. No clube de Amesterdão praticamente não jogou e fez quase toda a carreira no CS Cambuur, onde permaneceu nove temporadas (282 jogos e 34 golos). Representou ainda o De Graafschap e o FC Emmen. E retirou-se em 2002. É filho de Piet Keiser, antigo extremo da seleção holandesa que jogou nas épocas douradas do Ajax das décadas de 1960 e 70 e que é considerado um dos melhores jogadores holandeses de sempre.

Entre 2007 e 2016 treinou equipas sem grande expressão no panorama do futebol holandês, até ser eleito para orientar o Jong Ajax, a equipa B do conhecido emblema de Amesterdão. Ao serviço da equipa satélite do Ajax, em 2016/17, Keiser terminou o campeonato da II divisão no segundo lugar e foi o responsável pelo lançamento de jogadores como Matthijs de Ligt e Justin Kluivert (filho de Patrick Kluivert) antes de chegarem à equipa principal do Ajax. Além disso, na altura, o seu trabalho foi muito elogiado, com a imprensa a considerar que era a equipa que melhor futebol praticava na II divisão.

A fama de Keiser no clube de Amesterdão era tanta que após a saída do treinador Peter Bosz para o Borussia Dortmund, os responsáveis do Ajax não hesitaram em promovê-lo à equipa principal em junho de 2017. Mas ali as coisas não lhe correram particularmente bem e Marcel Keiser acabou por ser despedido a 12 de dezembro do mesmo ano, depois de ter sido eliminado da Taça no desempate por grandes penalidades (1-1, 6-5) no campo do Twente, e de ter sido eliminado precocemente nas provas europeias. Na altura, o Ajax estava no segundo lugar do campeonato, a cinco pontos do líder PSV.

Após seis meses parado, sem clube, no verão assinou um contrato com o Al Jazira válido até 2020, substituindo no cargo outro holandês, Henk Ten Cate.