Álvaro Sobrinho: "Conheço José Maria Ricciardi e Frederico Varandas"

O dono da Holdimo, o maior acionista privado da Sporting SAD, dá a entender que está indeciso entre dois candidatos e pede a quem ganhar para que não imite Bruno de Carvalho

Álvaro Sobrinho, dono da Holdimo, empresa que detém 29% do capital social da SAD leonina, esteve na TVI 24 e deu um claro sinal de que está indeciso em quem votar. Mas a indecisão prende-se com apenas dois candidatos.

"Iria apoiar o candidato com o maior projeto, mas vi o último debate e não consegui perceber o modelo de gestão de nenhum dos candidatos. Face à ausência desse pressuposto, só me posso pronunciar sobre o que conheço. Das pessoas que se apresentaram, conheço o passado e o perfil do Dr. Frederico Varandas e o Dr. José Maria Ricciardi. É nessas pessoas que poderei debruçar-me. O perfil de escolha vai ser simples. O presidente tem que reunir um conjunto de condições para o período menos bons que atravessa e nisso o candidato, e quero ser imparcial, o Dr. José Maria Ricciardi, foi fundamental na reestruturação financeira, tem sido presente no Sporting, tem um currículo muito bom a nível profissional", disse Álvaro Sobrinho que não teve problemas em atacar Bruno de Carvalho.

"Teve cheque em branco e viveu como lorde durante quatro anos. Todos os objetivos que se prometeu atingir, todos os anos não atingia", referiu antes de deixar um aviso ao próximo presidente: "Não façam como Bruno de Carvalho. É muito fácil falar, dizer que se vai fazer, mas quando se chega há sempre uma tentação de poder."

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.