Homem detido por suspeitas de homicídio por negligência no caso da morte de Emiliano Sala

Polícia de Dorset confirma que um homem foi detido para interrogatório por suspeita de homicídio por negligência no âmbito da morte do avançado argentino, que em janeiro tinha trocado o Nantes pelo Cardiff

"Realizámos uma ampla investigação sobre as circunstâncias da morte de Sala e continuamos a trabalhar com agências parceiras, incluindo a Autoridade de Aviação Civil. Como parte deste inquérito, temos que considerar se há alguns indícios de suspeita de crime. E como resultado disso, hoje [quarta-feira] prendemos um homem de 64 anos da região de North Yorkshire por suspeita de homicídio negligente por ato ilícito. Ele está a ajudar a nossa investigação e entretanto foi libertado da custódia, ficando ainda sob investigação", afirmou o inspetor-detetive da polícia de Dorset, Simon Huxter.

O avançado argentino de 28 anos morreu na sequência da queda do avião em que seguia, no Canal da Mancha, quando viajava de França para o Reino Unido. O corpo do futebolista Emiliano Sala foi encontrado nos destroços do avião cerca de duas semanas depois do acidente. O corpo do piloto da aeronave, David Ibbotson, ainda não foi encontrado.

A morte de Sala deu-se dias depois de se ter transferido dos franceses do Nantes para os galeses do Cardiff, equipa que disputava a liga inglesa.

"Este assunto ainda está sujeito a investigação e eu peço aos media e ao público em geral que se abstenham de especulações, pois isso poderia causar sofrimento adicional às famílias envolvidas, bem como atrapalhar o inquérito", acrescentou o inspetor Simon Huxter.

"Como é prática habitual, não divulgaremos mais informações sobre a identidade do indivíduo que foi preso, a menos que essa pessoa seja acusada para comparecer em tribunal", disse ainda.

Tragédia no canal da Mancha

A 20 de janeiro, numa noite de mau tempo, o jogador Emiliano Sala seguia a bordo de um avião Piper Malibu, para se juntar à equipa de futebol Cardiff City, no País de Gales, depois de a sua transferência ter sido fechada no dia anterior. O jogador fora anunciado pelo Cardiff como a a contratação mais cara da história do clube, que tinha acordado pagar 15 milhões de libras por ele (mais de 17 milhões de euros).

Durante a viagem, o aparelho desapareceu dos radares enquanto sobrevoava o Canal da Mancha. 13 dias depois a esperança dos familiares, clube e fãs terminou quando o pior foi confirmado: a aeronave tinha sido encontrada e o corpo de Sala encontrava-se entre os escombros.

O piloto David Ibbotson, cujo corpo ainda não foi encontrado, tinha sido chamado para pilotar à última hora, porque o colega David Henderson não estava disponível. Ibboston foi chamado, apesar de alegadamente não saber pilotar aquele modelo de aviões e não ter a licença necessária para pilotar aeronaves com passageiros durante a noite devido a ser daltónico.

O estado da aeronave também foi posta em causa depois da morte de Sala. O departamento de investigação britânico de acidentes aéreos (AAIB) esclareceu no passado mês de fevereiro que o avião de 1984 não estava autorizado a operar voos comerciais.

Também criaram polémica as afirmações de um amigo de Sala, Maximiliano Duarte, que acusou o empresário Willie Mckay de ter obrigado o jogador a entrar no avião num dia de mau tempo. "Viajar de noite naquelas condições foi uma coisa totalmente obrigada. Há uma grande verdade em tudo isto, há um culpado. Porque o Emiliano nunca quis entrar naquele avião. As obrigações que tinha como jogador profissional fizeram-no aceitar as coisas", referiu Maximiliano.

Até agora, o Cardiff tem-se recusado a pagar ao Nantes a primeira parcela de 5 milhões de libras da transferência (cerca de seis milhões de euros), argumentando que o contrato não tinha ainda validade jurídica.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.