Inglaterra divulga pré-convocados para a Liga das Nações

O avançado Harry Kane, atualmente lesionado, faz parte da lista de 27 pré-convocados da Inglaterra para a fase final da Liga das Nações, que vai decorrer em Portugal, divulgada esta quinta-feira pela Federação Inglesa de Futebol (FA).

O jogador do Tottenham, uma das grandes figuras da seleção inglesa, está lesionado desde o início de abril, com um problema no tornozelo esquerdo, mas, mesmo assim, integra as escolhas iniciais do selecionador Gareth Southgate.

Eric Dier, antigo defesa do Sporting, também aparece nas opções de Southgate, ajudando o Tottenham a ser a equipa mais representada, com seis jogadores.

A lista final de 23 jogadores terá de ser comunicada à UEFA até 27 de maio.

A Inglaterra defronta a Holanda a 6 de junho, em Guimarães, no segundo jogo das meias-finais da Liga das Nações, um dia depois de Portugal defrontar a Suíça, no Porto.

Lista dos 27 pré-convocados:

Guarda-redes: Jack Butland (Stoke City), Tom Heaton (Burnley), Jordan Pickford (Everton).

Defesas: Trent Alexander-Arnold (Liverpool), Ben Chilwell (Leicester City), Joe Gomez (Liverpool), Declan Rice (West Ham), Danny Rose (Tottenham), Harry Maguire (Leicester City), John Stones (Manchester City), Kieran Trippier (Tottenham), Kyle Walker (Manchester City) e Michael Keane (Everton).

Médios: Dele Alli (Tottenham), Ross Barkley (Chelsea), Fabian Delph (Manchester City), Eric Dier (Tottenham), Jordan Henderson (Liverpool), Harry Winks (Tottenham) e James Ward-Prowse (Southampton).

Avançados: Harry Kane (Tottenham), Jesse Lingard (Manchester United), Marcus Rashford (Manchester United), Nathan Redmond (Southampton), Jadon Sancho (Borussia Dortmund), Raheem Sterling (Manchester City), e Callum Wilson (Bournemouth).

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.