Guineense radicado em Bragança ajuda atleta a terminar a prova (com vídeo)

Gesto de Brian Braima Dabo está a correr mundo e fica como o primeiro grande momento do campeonato que arrancou esta sexta-feira em Doha, no Catar

Braima Dabo, atleta da Guiné-Bissau, não vai conquistar medalhas neste mundiais de atletismo, mas já conquistou o coração do público na jornada inaugural, esta sexta-feira, ao ajudar um exausto Jonathan Busby, atleta de Aruba, a cruzar a linha de chegada nos 5.000 metros, numa impressionante demonstração de desportivismo na pista de Doha.

Brian Braima, atleta de 26 anos radicado em Bragança, carregou em ombros o seu oponente durante mais de 100 metros, sendo aplaudido de pé pelo Khalifa International Stadium.

Foi um final agonizante e emocionante o da eliminatória de abertura dos 5.000 metros masculinos, quando um angustiado Busby, à beira do colapso físico, foi resgatado na última volta por Braima Dabo, que abdicou de fazer o melhor tempo pessoal possível em detrimento de prestar ajuda ao 'adversário', com os dois homens a cruzarem a meta juntos e debaixo de uma ovação empolgante no Estádio Khalifa .

Veja o momento:

"O principal objetivo era representar o meu país da melhor maneira possível e estou feliz por poder ajudar outro atleta", disse Dabo, em língua portuguesa, à agência Reuters, acrescentando como se decidiu a ajudar Busby: "Vi que ele não estava a correr da maneira correta, estava a ir muito inclinado, percebi que não iria terminar a corrrida."

"Eu sabia que não iria bater o meu recorde pessoal, então, quando percebi isso, limitei-me ao meu objetivo principal, que era terminar a corrida. Por isso decidi ajudá-lo também a chegar ao fim, é esse o objetivo da corrida", acrescentou.

Apesar das temperaturas abrasadoras em Doha, a corrida ocorreu em agradáveis ​​condições primaveris, graças ao inovador sistema de ar-condicionado no estádio Khalifa.

A série foi ganha por Selemon Barega, da Etiópia, com um tempo de 13 minutos e 24 segundos, mas foi o esforço heróico que se desenrolou atrás do vencedor que levou a multidão a levantar-se para um palauso generealizado.

Quando a dupla cruzou a linha de chegada, quase cinco minutos depois do vencedor, Dabo segurou Busby até aos auxiliares de emergência aparecerem, com o atleta de Aruba a ser colocado numa cadeira de rodas e retirado da pista.
Não houve ainda notícias sobre a condição de Busby, de 33 anos.

"Ele agradeceu-me, mas estava a sofrer, não podia realmente falar ... de qualquer forma, não falamos a mesma língua, por isso a nossa conversa nunca seria muito longa", disse Dabo.

Questionado sobre a reação da multidão ao seu gesto de desportivismo, Dabo, de 26 anos, manteve a humildade. "Continuo a ser o mesmo de antes e tenho muito orgulho de estar aqui a representar o meu país."

Braima acabou a prova com 18:10.87 minutos, ao passo que Busby foi desqualificado, mas o gesto do guineense está a correr mundo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG