Ficar entre os 10 melhores é o objetivo de Miguel Oliveira para a segunda metade da temporada

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) disse hoje que o seu objetivo para a segunda metade da temporada do Mundial de MotoGP passa por chegar ao 'top-10' em várias provas.

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) disse hoje que o seu objetivo para a segunda metade da temporada do Mundial de MotoGP passa por chegar ao 'top-10' em várias provas.

"Se eu conseguisse terminar em Valência [19.ª e última prova do circuito, em novembro] com vários resultados dentro do top-10 seria um final de época fantástico", disse, em conferência de imprensa realizada no recinto da Concentração de Motos de Faro.

Nas nove provas realizadas até agora, Miguel Oliveira pontuou em cinco ocasiões, ocupando o 18.º lugar no campeonato, com 15 pontos."A minha batuta tem sido o Pol Espargaró (10.º no Mundial de MotoGP), porque é o piloto mais forte da KTM neste momento e tem conseguido, na maior parte das vezes, estar a lutar pelo top-10", acrescentou o piloto da equipa KTM Tech3.

Miguel Oliveira referiu que, "como é hábito", as suas segundas metades de temporada "são sempre melhores", esperando que "este ano não seja exceção".

O piloto português ainda não atingiu o objetivo dotop-10 - foi 11.º na Argentina, na sua melhor prestação -, mas sublinhou que, face às circunstâncias, a primeira fase da temporada foi positiva.

"É lógico que gostaria de ter pontuado em todas as corridas"

"É lógico que gostaria de ter pontuado em todas as corridas - foi esse o objetivo a que me propus -, mas, tendo em conta as nossas circunstâncias, dou por muita positiva esta primeira metade da temporada, dado que pontuei em muitas corridas", afirmou.

Oliveira ressalvou que a sua atitude tem feito a diferença na transição entre lutar pelo título - como aconteceu em 2018 no campeonato de Moto2, que terminou no segunda lugar - e estar agora envolvido na luta dos pontos.

"O MotoGP é uma categoria com grande discrepância entre o que faz a mota e o piloto. Se falássemos de percentagens, diria uns 70/30, porventura. Ser um piloto que passa de ganhar corridas e estar a lutar por um campeonato para ser um piloto que luta por pontos pode ser bastante desmotivante e é na atitude que tenho de fazer a diferença para mostrar que mereço estar aqui", afirmou.

As maiores dificuldades têm sido trabalhar uma mota que ainda não é "competitiva" o suficiente para lutar pelos lugares mais altos do pódio, mas Oliveira disse que se sente motivado em melhorar a máquina.

"O caminho que temos a percorrer é duro, demora tempo a desenvolver, demora tempo a ter peças, mas a fábrica da KTM é das fábricas do Mundial com maior capacidade de resposta e, por isso, sinto-me no melhor sítio para me poder desenvolver. Sei bem a longo prazo onde quero estar, que é no lugar mais alto do pódio", concluiu.

Depois da conferência da imprensa no recinto da concentração - "Faro é uma Meca para quem gosta de motos e para quem gosta deste ambiente" - destacou -, Miguel Oliveira teve tempo para conviver com centenas de fãs.

Depois de uma pausa de quase um mês, o Mundial de MotoGP regressa em 04 de agosto, com o GP da República Checa.

.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.