Fernando Gomes: "Seria um feito fantástico se Portugal conquistasse a Liga das Nações"

O presidente da Federação Portuguesa de Futebol assumiu na apresentação da organização da final four da Liga das Nações que este será "um capítulo inesquecível na história do futebol europeu".

Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), assumiu esta sexta-feira, no Porto, que a fase final da Liga das Nações, com Portugal, Suíça, Holanda e Inglaterra, será "um capítulo inesquecível na história do futebol europeu".

"O nosso desejo é que Portugal esteja ao seu nível, ganhe a meia-final [com a Suíça], jogue a final e depois conquiste o troféu", referiu Fernando Gomes, na apresentação da fase final, que irá decorrer em Guimarães e no Porto, entre os dias 5 e 9 de junho.

Fernando Gomes reconheceu que "não será tarefa fácil", dado que "estão envolvidas seleções com uma categoria desportiva acima da média", mas "quando Portugal entra numa competição é para ganhar o título" e este, sendo a primeira edição, "tem um gosto especial".

"A conquista deste troféu seria um prémio acrescido e um feito fantástico", acrescentou Fernando Gomes, perante a possibilidade de Portugal somar a Liga das Nações da UEFA ao título europeu conquistado em França, em 2016.

O presidente da federação referiu ainda que "Portugal tem demonstrado ao longo dos anos uma enorme capacidade para organizar grandes eventos" e que "estão criadas as condições perfeitas para mais um feito enorme do futebol europeu".

A fase final da Liga das Nações arranca em 5 de junho com o jogo Portugal-Suíça, no Estádio do Dragão, no Porto, e prossegue no dia seguinte, com o Holanda-Inglaterra, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, ambos às 20.45.

A 9 de junho, em Guimarães (15.00 horas), realiza-se o encontro de atribuição do terceiro lugar entre as seleções derrotadas nas meias-finais, enquanto a final da prova está marcada para as 20.45 horas, no Estádio do Dragão.

As seleções da Suíça, Holanda e Inglaterra já visitaram as duas cidades, os estádios, hotéis e centros de estágio e de acordo com Carlos Lucas, diretor de competições e eventos da FPF, estão "muito satisfeitas com as condições oferecidas".

O presidente da Câmara Municipal do Porto (CMP), Rui Moreira, que foi o anfitrião da cerimónia, destacou a visão que a FPF teve no acreditar ser possível organizar um evento que será "absolutamente memorável" e "muito importante para as cidades envolvidas".

"Queremos todos que Portugal ganhe, mas isso agora cabe aos jogadores, nós só temos que assegurar que tudo corra bem", referiu Rui Moreira, que se encontrava ladeado pelo presidente da Câmara Municipal de Guimarães, Domingos Bragança, e pelo antigo guarda-redes Vítor Baía, que é o embaixador da prova.

Domingos Bragança acredita que a prova será um sucesso em Guimarães, "cidade que vive com emoção e intensidade o desporto", e formulou o desejo de não ver a seleção portuguesa a jogar no D. Afonso Henriques, sinal que estaria na final.

Os bilhetes para os jogos das meias-finais e de atribuição do terceiro lugar variam entre os 30 e os 120 euros, enquanto os da final oscilam entre 40 e 150 euros.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.