Leão lambe feridas em casa do lanterna vermelha

Depois de duas derrotas consecutivas com o rival Benfica, o Sporting venceu o Feirense em Santa Maria da Feira, por 3-1, com dois golos de Bruno Fernandes

O Sporting voltou às vitórias e isso, reconheceu o próprio Marcel Keizer no final, era o mais importante e urgente nesta altura.

Depois de duas derrotas consecutivas contra o rival Benfica e sem conseguir ganhar em 90 minutos há cinco partidas (embora com a conquista da Taça da Liga pelo meio), a equipa leonina conseguiu retomar o caminho dos triunfos na visita ao lanterna vermelha, em Santa Maria da Feira, mas não conseguiu sossegar todos os espíritos inquietos.

Valeu mais uma vez a qualidade superior de Bruno Fernandes a afagar a fragilidade exibicional de um Sporting que justificou o triunfo na segunda metade, mas que se colocou em vantagem ainda antes do intervalo quase sem fazer por isso, no final de uma primeira parte durante a qual se viu muito incomodado perante um Feirense intenso, de muita luta e que estivera até aí mais perto do golo.

Um autogolo a quebrar a resistência

Ao intervalo, o placard mostrava 0-1 a favor dos leões, mas a estatística apresentava cinco remates enquadrados do Feirense, que estreou Filipe Martins no comando técnico, contra apenas um do Sporting. E não foi sequer nesse que a equipa de Alvalade chegou ao golo.

A vantagem leonina chegou de forma fortuita na única jogada decente da equipa de Keizer em toda a primeira parte. Bem decente, diga-se, porque foi de facto uma reminiscência do que de melhor já se viu neste Sporting na era do holandês.

Uma jogada que envolveu vários jogadores desde o meio-campo até à área, com Wendel, que tinha estado no início do lance, a surgir na área para finalizar um cruzamento de Borja. O cabeceamento do brasileiro desviou depois no braço do central Briseño e quebrou a resistência do Feirense, que até aí tinha dado muitas dores de cabeça ao Sporting.

Aliás, tinha mesmo chegado a festejar um golo, a equipa de Santa Maria da Feira, quando um dos cantos criteriosamente batidos de forma tensa, ao primeiro poste, foi desviado por Marco Soares para a baliza de Renan. Alertado pelo vídeo-árbitro, Manuel Mota foi rever o lance e considerou obstrução sobre o guarda-redes leonino, aos 25 minutos.

Numa primeira parte em que o Sporting demonstrou notórias dificuldades de construção perante a pressão intensa do Feirense sobre a bola, com a equipa local muito agressiva nos duelos (aqui ou ali em exagero), Renan ainda teve de lidar com mais um par de ameaçaas à sua baliza, como num outro canto em que salvou in extremis sobre a linha um desvio de Sturgeon.

Era uma fase em que o Feirense conseguia empurrar o jogo até à área leonina, enquanto o Sporting vivia sobretudo da capacidade da sua ala esquerda, onde Borja se mostrava sempre bastante ativo no apoio ao combativo Acuña. Mas aos 44 minutos, o Sporting desenvencilhou-se dessa camisa de forças e desenhou a bela jogada que contou com a ajuda de Briseño.

Um golo que surgiu na altura ideal e permitiu ao Sporting entrar mais equilibrado para o segundo tempo, tratando melhor a bola. E quando o Sporting consegue tratar melhor a bola, sobressai a qualidade dos seus melhores intérpretes. Com Bruno Fernandes acima de todos os outros.

Bruno Fernandes (quem mais?) resolve

O médio deu sequência à sua época de números extraordinários e deu alguma tranquilidade ao regresso dos leões aos triunfos, carimbando-o com mais dois golos. O primeiro de forma rara, aos 58 minutos, num mergulho de cabeça à entrada da pequena área, para finalizar mais uma bela jogada coletiva que foi da esquerda até à direita e acabou com o cruzamento de Diaby para o cabeceamento do médio, a aproveitar o espaço entre os centrais contrários. O segundo de forma que começa já a ser habitual, em mais uma execução magistral num livre direto em zona frontal, aos 68'.

Dois golos nos dois únicos remates que fez à baliza, a fazer a diferença num jogo em que, antes disso, até nem lhe estava a correr pelo melhor. Mas são assim os predestinados, só precisam de uma oportunidade (ou duas) para deixar a sua marca.

A ganhar por 3-0 a 20 minutos do fim, o Sporting tinha uma boa oportunidade para estabilizar o seu futebol e recuperar processos. Keizer deu os primeiros minutos da época ao regressado Francisco Geraldes, que substituiu Bruno Fernandes, mas a defesa voltou a cometer um dos pecados habituais e deixou o recém-entrado Petkov à vontade para um remate acrobático que impôs aos leões o sétimo jogo consecutivo a sofrer golos.

O último jogo do Sporting com a sua baliza em branco foi também contra o Feirense, nos quartos-de-final da Taça de Portugal, a 19 de janeiro.

Fica o regresso aos triunfos, com a equipa leonina a aproveitar também o deslize do FC Porto para reduzir para nove pontos a desvantagem para o líder.

Quanto ao Feirense, somou mais um jogo sem vencer, apesar dos sinais prometedores na estreia do técnico Filipe Martins: a equipa da Feira já não ganha desde a segunda jornada, em setembro, e segue afundada no último lugar.

Figura

Bruno Fernandes. Esgotam-se os elogios, mas sobram as evidências. O médio é a peça rara desta coleção ao dispor de Marcel Keizer e, mesmo em jogos em que parece apagado, tem sempre um truque na manga para deixar a sua marca. Esta noite, marcou mais um livre de forma irrepreensível, tal como tinha feito na Luz, na quarta-feira, e ainda foi mais rápido do que todos os outros a ler a jogada que finalizou de cabeça, num mergulho à ponta de lança, entre os centrais contrários. Em duas pinceladas, resolveu a partida. E já leva 20 golos na temporada, com 10 deles nesta Liga portuguesa.

Ficha de jogo

Estádio Marcolino de Castro, em Santa Maria da Feira.

Feirense - Sporting, 1-3.

Ao intervalo: 0-1.

Marcadores:

0-1, Briseño, 44 minutos (própria baliza).

0-2, Bruno Fernandes, 58.

0-3, Bruno Fernandes, 68.

1-3, Stivan Petkov, 76.

Equipas:

- Feirense: André Moreira, Diga, Briseño, Flávio Ramos, Vítor Bruno, Marco Soares, Cris, Valência (Matheus Anderson, 62), Tiago Silva (Ofori, 76), Sturgeon e João Silva (Stivan Petkov, 72).

(Suplentes: Alampasu, Lawrence Ofori, Tiago Gomes, Kuca, Stivan Petkov, Bruno Nascimento e Mateus Anderson).

Treinador: Filipe Martins.

- Sporting: Renan, Ristovski, Ilori, Coates, Borja, Wendel (Doumbia, 65), Gudelj, Bruno Fernandes (Francisco Geraldes, 75), Diaby (Raphinha, 86), Bas Dost e Acuña.

(Suplentes: Salin, Raphinha, Francisco Geraldes, Luiz Phellype, Abdu Conté, Bruno Gaspar e Doumbia).

Treinador: Marcel Keizer.

Árbitro: Manuel Mota (AF Braga).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Vítor Bruno (06), Cris (29), Wendel (50), Tiago Silva (62), Briseño (66), Flávio Ramos (68), Doumbia (68) e Marco Soares (81).

Assistência: cerca 3.000 espetadores.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.