Victoria Kaminskaya bate o recorde nacional dos 200 metros bruços

A nadadora portuguesa bateu esta segunda-feira o recorde nacional absoluto dos 200 metros bruços (2.27,34 minutos), e garantiu o apuramento para a meia-final da disciplina no Europeu de Glasgow, na Escócia.

Victoria Kaminskaya foi terceira na quarta série, com o sétimo tempo entre as 34 nadadoras participantes, e bateu o anterior máximo que já lhe pertencia, desde 2017, e estava fixado em 2.27,70 minutos.

Raquel Pereira terminou em sétimo na segunda série, com 2.30.05 minutos, o 20.º tempo das eliminatórias, abaixo do seu máximo pessoal, que está fixado em 2.28.78 minutos desde março.

Tamila Holub assegurou a presença na final dos 1.500 livres, que vai ser disputada na terça-feira, após terminar em quarto lugar na segunda série, com o sétimo tempo entre as finalistas (16.25,29 minutos).

Diana Durães, recordista nacional com 16.15,60 minutos desde junho, foi quinta na segunda série com o nono tempo das eliminatórias (16.36,03).

Miguel Nascimento terminou com um recorde pessoal de 1.49,90 minutos as eliminatórias dos 200 metros livres, registando o 31.º tempo entre 62 nadadores, tendo a marca de apuramento para a meia-final fechado a 1.49,34 minutos.

A participação lusa no Europeu de Glasgow prossegue esta tarde com Ana Catarina Monteiro na final dos 200 metros mariposa (17:00), Victoria Kaminskaya na meia-final dos 200 bruços (17:30) e Alexis Santos na final dos 200 metros (18:15).

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.