Estádio da Luz recebe dois primeiros jogos de Portugal rumo ao Euro2020

As partidas da fase de qualificação diante da Ucrânia e da Sérvia estão agendadas para os dias 22 e 25 de março de 2019, respetivamente.

O Estádio da Luz vai receber os dois primeiros encontros de Portugal no Grupo B de qualificação para o Europeu de 2020, em 22 e 25 de março de 2019, diante da Ucrânia e Sérvia, respetivamente. Segundo anunciou a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), os dois jogos, separados por três dias (uma sexta-feira e uma segunda-feira), têm ambos início às 19:45 no estádio do Benfica, em Lisboa.

Depois dos embates com ucranianos e sérvios, os dois principais adversários lusos na corrida aos dois lugares de qualificação, Portugal só volta a jogar em setembro, na Sérvia, no dia 7, e na Lituânia, três dias volvidos.

Pelo meio, em junho, Portugal será anfitrião da 'final four' da Liga das Nações, defrontando em 05 de junho, nas meias-finais, a Suíça, num embate marcado para o Estádio do Dragão, no Porto. No dia seguinte, defrontam-se Holanda e Inglaterra, em Guimarães.

A final realiza-se em 9 de junho, no Dragão, enquanto o embate de apuramento do terceiro classificado realiza-se no mesmo dia, no estádio do Vitória de Guimarães.

Na fase de qualificação para o Europeu de 2020, competição que se realizará em 12 cidades, de outros tantos países, Portugal mede forças, no Grupo B, com Ucrânia, Sérvia, Lituânia e Luxemburgo.

Qualificam-se os dois primeiros de cada agrupamento, sendo que, por terem conquistado os respetivos grupos da Liga das Nações, Portugal, Ucrânia e Sérvia têm garantida a presença num 'play-off', entre 26 e 31 de março de 2020.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.