Equipa de futebol feminino do Benfica estreia-se com goleada de 18-0

Num jogo treino realizado esta segunda-feira no Jamor, as águias golearam a AD Lousada. Darlane marcou cinco golos

A equipa de futebol feminino do Benfica, criada este ano, estreou-se esta segunda-feira com uma goleada promissora, vencendo no Complexo do jamor a AD Lousada por... 18-0 num jogo treino.

Ao intervalo, o marcador já registava 4-0 a favor do Benfica. E na segunda parte, mesmo depois das muitas alterações feitas pelo treinador João Marques, as águias marcaram mais 14 golos (!). Ou seja, o jogo terminou com um 18-0 favorável ao Benfica.

Darlane foi a marcadora de serviço, autora de cinco golos. Daiane (4), Carlota Cristo (2), Andreia Ferreira (2), Patrícia Llano (2), Evy Pereira, Sílvia Rebelo e Pauleta apontaram os restantes golos.

O Benfica vai estrear esta temporada a sua equipa de futebol feminino no Campeonato Nacional de Promoção e tem como principal objetivo, além de subir de divisão, conquistar a Taça de Portugal. "É um dos grandes objetivos e acredito que vamos lá estar. Foi um objetivo que o vice-presidente me pediu quando me propôs treinar a equipa. Constituímos o plantel a pensar nessa meta e vamos fazer tudo para lá estar", disse o treinador João Marques a semana passada, durante a apresentação da equipa.

O clube da Luz fez uma grande aposta no recrutamento de jogadoras, entre elas várias atletas de nacionalidade brasileira, caso de Geyse, que joga nos sub-20 do Brasil

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.