França campeã mundial pela segunda vez. Modric eleito melhor jogador

Mandzukic na própria baliza, Griezmann de grande penalidade, Pogba e Mbappé marcaram para os gauleses, Perisic e Mandzukic para a Croácia

A França conquistou este domingo o seu segundo Campeonato do Mundo, na 21.ª edição, batendo a Croácia na final por 4-2 no Estádio Luzhniki, em Moscovo.

A Croácia teve mais posse de bola e foi mais ofensiva durante a primeira parte, mas viu-se em desvantagem contra a corrente do jogo, devido a um autogolo de Mandzukic (18 minutos), o primeiro autogolo de sempre numa final do Campeonato do Mundo.

Depois, apesar da tentativa gaulesa em esfriar o ritmo da partida, os croatas chegaram ao empate através de Perisic (28'), com um forte remate de pé esquerdo após um conjunto de ressaltos ganhos na área dos vice-campeões da Europa.

A seleção de Modric e companhia não teve, porém, tempo para festejar, pois o árbitro argentino Néstor Pitana assinalou uma grande penalidade favorável à França com recurso às imagens do videoárbitro, por mão na bola de Perisic. Aproveitou Griezmann para devolver a vantagem aos les bleus (38'), naquele que foi o primeiro remate dos gauleses no jogo.

Depois de uma primeira parte com três golos, algo que já não acontecia desde o Alemanha - Holanda de 1974, seguiram-se mais dois na segunda. Pogba ampliou para 3-1 aos 59 minutos, num lance que o próprio iniciou e concluiu; e Mbappé deixou a França com uma mão na taça através de um remate fulminante de fora da área, a passe de Lucas Hernández (65').

Talvez já a imaginar-se a levantar a taça, por ser o capitão, o guarda-redes Hugo Lloris cometeu um erro incrível ao tentar driblar Mandzukic, permitindo que o croata reduzisse a desvantagem e fizesse a Croácia sonhar (69').

Luka Modric foi eleito o melhor jogador do torneio, Mbappé recebeu o prémio para melhor jogador jovem, Courtois foi o melhor guarda-redes, Harry Kane o melhor marcador e a Espanha arrecadou o prémio Fair Play.

Marcas para a história

Kylian Mbappé tornou-se o terceiro jogador mais jovem de sempre a disputar a final de um Mundial e o segundo mais jovem a marcar num jogo decisivo, com 19 anos e 207 dias. Pelé continua a ser o detentor de ambos os recordes, estabelecidos em 1958 (17 anos e 249 dias).

Varane tornou-se o segundo francês a vencer a Liga dos Campeões e o Campeonato do Mundo no mesmo ano, sucedendo a Karembeu (1998), também ele então jogador do Real Madrid. É o 11.º de qualquer nacionalidade a consegui-lo.

França nunca perdeu um jogo em que tanto N'Golo Kanté como Paul Pogba foram titulares (19 jogos: 15 vitórias e quatro empates).

Apenas a final de 1958, entre Brasil e Suécia (5-2) teve mais golos. A de 2018, com seis remates certeiros, iguala as de 1930, 1938 e 1966, que terminou com vitórias de Uruguai, Itália e Inglaterra sobre Argentina, Hungria e Alemanha, respetivamente.

Didier Deschamps tornou-se a terceira pessoa a ganhar o Mundial como jogador e treinador, depois do brasileiro Mario Zagallo e do alemão Franz Beckenbauer.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG