Sexismo na Bola de Ouro? DJ embaraçou a melhor jogadora do mundo

Martin Solveig desafiou Ada Hegerberg, vencedora da Bola de Ouro a dançar twerk no momento em que subiu ao palco para receber a Bola de Ouro e foi alvo de acusações de assédio

A cerimónia de atribuição da Bola de Ouro da revista France Football, na noite de segunda-feira, ficou marcada por um episódio polémico que teve como protagonista o DJ francês Martin Solveig: no momento de a norueguesa Ada Hegerberg subir ao palco para receber o prémio de melhor jogadora do ano 2018, o DJ desafiou-a a dançar twerk para celebrar a conquista do prémio.

O momento embaraçou a jogadora do Lyon, de 23 anos, que respondeu com um seco "não" ao mesmo tempo que tentou deixar o palco. Hegerberg acabou por manter-se no palco e de forma algo relutante acabou por aceitar o pedido para uma dança do apresentador e antigo futebolista David Ginola.

Esta situação deu origem a uma onda de críticas contra Martin Solveig, que foi mesmo acusado de assédio sexual. Através da sua conta no Twitter, o músico justificou que tratou-se apenas de uma brincadeira. "Eu expliquei a Ada e ele disse ter compreendido que foi apenas uma piada. De qualquer forma, apresento as minhas desculpas a todos os que se sentiram ofendidos. E mais importante, parabéns a Ada", escreveu o DJ francês.

No final da Gala da Bola de Ouro, Ada Hegerberg revelou que Solveig se dirigiu a ela depois do incidente "bastante chateado com as proporções que a situação atingiu". "Naquele momento, não considerei tratar-se de assédio sexual ou algo do género", garantiu a futebolista, antes de dizer que estava "muito feliz" por ter conquistado a Bola de Ouro.

Ada Hegerberg foi a primeira futebolista a ser distinguida com a Bola de Ouro, que até aqui tinha sido entregue apenas a atletas masculinos.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.