Silas entra a vencer... mas este leão ainda não convence

Na estreia do novo treinador, o Sporting venceu o Desp. Aves graças a um golo de grande penalidade de Bruno Fernandes. Mas as melhoras ainda são poucas ou quase nenhumas.

O Sporting voltou a vencer 36 dias depois. Um triunfo em Vila das Aves, por 1-0, na estreia do treinador Jorge Silas, que apesar dos poucos dias que leva no comando do clube montou uma equipa com algumas surpresas, deixando jogadores titulares como Acuña e Wendel no banco de suplentes. Foi um leão ainda com muitas lacunas, a cometer erros e que na segunda parte apanhou alguns sustos. Mas a vitória no jogo de estreia já ninguém tira a Silas, que contudo ficou com a noção de que ainda tem muito trabalho pela frente.

Vamos aos factos. A última vitória do Sporting tinha acontecido a 25 de agosto, um triunfo por 1-3 fora, em Portimão, ainda nos tempos de Marcel Keizer, na 3.ª jornada da I Liga. De então para cá seguiram-se quatro derrotas (Rio Ave para o campeonato e Taça da Liga; PSV na Liga Europa e Famalicão para a Liga) e um empate (diante do Boavista, em jogo do campeonato).

Nestes cinco jogos aconteceu um pouco de tudo a um leão a dar sinais de moribundo, desde três grandes penalidades cometidas no mesmo jogo e golos na própria baliza de Coates, a uma mudança de treinador (Keizer), depois outro (Leonel Pontes) que não tinha prazo (segundo o presidente Frederico Varandas), mas cuja validade apenas durou quatro jogos.

Debaixo de forte contestação, Varandas convidou Silas, depois de ter levado negas de José Mourinho e Leonardo Jardim, como o próprio admitiu, e de mais uns quantos. A aposta recaiu no técnico de 43 anos, com passado no clube (jogou nos juniores e foi dispensado), que um dia Varandas, em 2002, viu no Rossio a celebrar o último título de campeão do Sporting.

E foi com Silas que o Sporting venceu, apesar de não ter convencido. Curiosamente diante de um adversário (Desp. Aves), último classificado da Liga, cujo treinador (Augusto Inácio) conquistou o penúltimo título de campeão ganho pelos leões (1999-00) e que mais recentemente tinha desempenhado funções de diretor para o futebol do Sporting na gerência de Bruno de Carvalho.

A revolução de Silas foi conhecida uma hora antes do jogo, quando foi anunciado o onze oficial do Sporting, com os titularíssimos Acuña e Wendel no banco de suplentes e o mal-amado Coates de volta ao eixo defensivo. Borja foi o eleito para o lado esquerdo da defesa em vez do internacional argentino. E Eduardo (ex-Belenenses, que Silas bem conhece) atuou no meio-campo. O ataque ficou entregue a Bolasie, Vietto e Jesé - Luiz Phellype foi para o banco.

Ainda com processos lentos, e com dificuldades em furar a muralha do Aves, a primeira grande oportunidade do Sporting surgiu apenas aos 26', mas curiosamente não foi obra de nenhum dos homens do ataque. O médio Eduardo ganhou uma bola no meio-campo e arriscou a sorte de muito longe, com a bola a bater na barra. Faltava ao leão a criatividade de Bruno Fernandes (jogou de início mais recuado e longe da área, perdeu muitas bolas, mas mesmo assim foi um dos melhores dos leões) para furar a teia dos homens de Augusto Inácio. Antes do intervalo (42'), nova oportunidade, e outra vez com um remate do meio da rua de Eduardo, que Beunardeau defendeu.

A segunda parte começou logo com dois grandes sustos para o Sporting. Aos 48'. após um lance de contra-ataque, Welinton atirou com muito perigo por cima depois de a bola ressaltar em Mathieu. E no seguimento do canto, a defesa leonina ficou a dormir e Luiz Fernando cabeceou com muito perigo.

O Sporting continuava sem soluções no ataque. E no banco Silas via um Aves muito mais atrevido na segunda parte. Por isso entendeu lançar Luiz Phellype para o lugar do apagado Jesé aos 60 minutos, de forma a equipa ter um avançado de área. Aos 70' entrou Wendel para o lugar de Eduardo, visivelmente fatigado. E finalmente aos 77' Acuña saltou do banco para substituir.

E foi já com estes três jogadores em campo, que à partida eram apontados como titulares, que o Sporting chegou ao golo da vitória, com Bruno Fernandes, aos 83', a marcar com êxito o castigo máximo que resultou numa falta do guarda-redes Beunardeau sobre Bolasie.

Silas teve uma estreia feliz, mas este Sporting não mostrou grandes melhorias. E só chegou ao golo através de uma grande penalidade numa segunda parte em que passou por alguns momentos de aperto.

O golo de Bruno Fernandes.

FICHA DO JOGO

Desportivo das Aves-Sporting, 0-1.

Ao intervalo: 0-0

Marcadores: 0-1, Bruno Fernandes, 83 minutos (grande penalidade).

Desportivo das Aves: Beunardeau, Jaílson (Bruno Xavier, 84), Mato Milos, Dzwigala, Afonso Figueiredo, Falcão, Luiz Fernando, Enzo, Welinton (Peu, 88), Rúben Oliveira e Mohammadi (Rúben Macedo, 80).

Treinador: Augusto Inácio.

Sporting: Renan, Rosier, Coates, Mathieu, Borja (Acuña, 77), Eduardo (Wendel, 70), Doumbia, Bruno Fernandes, Vietto, Jesé (Luiz Phellype, 61) e Bolasie.

Treinador: Silas.

Árbitro: Carlos Xistra (AF Castelo Branco).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Luiz Fernando (18), Ruben Oliveira (86), Wendel (87), Dzwigala (87), Rosier (90+4).

Assistência: Cerca de 4500 espetadores.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG