Danilo capitão e numeração do plantel do FC Porto revelada

Internacional português cedeu à pressão e vai envergar a braçadeira de capitão no jogo de apresentação do FC Porto aos sócios, diante do Mónaco, no Estádio do Dragão

Danilo Pereira cedeu à pressão e vai assumir o estatuto de capitão do FC Porto esta temporada. O internacional português tinha mostrado intenção de abdicar da braçadeira depois do conflito de segunda-feira à noite com Sérgio Conceição, mas durante os últimos dias foi muito pressionado por companheiros e dirigentes portistas para esquecer o incidente, acabando por ceder e assumir o estatuto de capitão no encontro deste sábado com o Mónaco, que marca a apresentação do plantel azul e branco a sócios e adeptos.

Durante a cerimónia de apresentação, Danilo foi bastante aplaudido e esteve quase sempre na dianteira do grupo, mas ainda sem braçadeira e sem esboçar sorrisos. Um pouco mais (mas não muito...) sorridente esteve Sérgio Conceição, que até brincou com a baixa estatura (1,64 m) do reforço japonês Shoya Nakajima.

O FC Porto tem tratado este assunto com pinças. Aliás, num primeiro momento em que as notícias começaram a sair, na passada quarta-feira, dando conta de que Danilo tinha sido expulso do estágio devido a uma forte discussão com Sérgio Conceição, Francisco J. Marques, diretor de comunicação dos dragões, desmentiu tudo através da sua conta no twitter.

Na noite de quinta-feira, no Porto Canal, o mesmo Francisco J. Marques acabou por reconhecer que de facto a discussão existiu. Mas aproveitou para desvalorizar o assunto, garantindo que estava tudo sanado. "É verdade que houve uma discussão entre Danilo e o treinador, não vamos negar uma coisa que aconteceu. Sim, houve, numa reunião [...] Hoje treinou e no sábado estará com a braçadeira. Consequência do trabalho dele, é capitão porque tem número de anos e é respeitado por todos. Mantém a confiança do treinador, do senhor presidente e da administração que é quem importa. O que aconteceu acontece muitas vezes ao longo das temporadas em todas as equipas e que são resolvidas depois", referiu na ocasião.

Tudo aconteceu na segunda-feira à noite. O plantel tinha organizado um jantar e, perante o atraso do treinador, Danilo entendeu ligar a Conceição para saber se o técnico ia demorar (as regras no FC Porto obrigam a que os jogadores só possam começar as refeições na presença do técnico). Os jogadores do FC Porto começaram a jantar sem o treinador mas, mais tarde, deu-se a discussão, quando Conceição apareceu já bastante tarde no hotel no Algarve onde a comitiva estava a estagiar e Danilo lhe disse que podia ter avisado previamente os jogadores do atraso. Fonte próxima do treinador, contudo, disse ao DN que se tratava de um jantar de jogadores, e que não estava previsto Sérgio Conceição estar presente.

O treinador portista, de acordo com uma fonte próxima do jogador, terá perdido a cabeça e começou a confrontar Danilo, chegando mesmo a questionar a sua posição de capitão de equipa e ordenando ao jogador que abandonasse o estágio. "És um capitão de merda", terá insultado o técnico dos azuis e brancos.

Para o encontro com o Mónaco, Sérgio Conceição apostou no seguinte onze: Vaná; Manafá, Pepe, Marcano e Alex Telles; Danilo e Sérgio Oliveira; Corona, Romário Baró e Luís Diaz; Soares.

Plantel (provisório) do FC Porto para 2019-20:

2: Tomás Esteves
3: Pepe
4: Diogo Leite
5: Ivan Marcano
6: Bruno Costa
7: Luís Diaz
8: Romário Baró
9: Aboubakar
10: Nakajima
11: Marega
13: Alex Telles
15: Loum
17: Jesus Corona
18: Wilson Manafá
19: Mbemba
20: Zé Luís
22: Danilo Pereira
23: Osorio
24: Renzo Saravia
25: Otávio
26: Vaná
27: Sérgio Oliveira
29: Tiquinho Soares
31: Diogo Costa
37: Fernando Andrade
39: Galeno
49: Fábio Silva
51: Mouhamed Mbaye
54: Diogo Queirós
67: Madi Queta

Romário Baró ficou com o 8 que era de Brahimi, Tomás Esteves com o 2 de Maxi Pereira, Luís Diaz com o 7 de Hernâni, Nakajima com 10 de Óliver Torres e Zé Luís com o 20 de Adrián López. O reforço argentino Renzo Saravia vai utilizar o dorsal 24, que na primeira metade da época passada foi do holandês Bazoer.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.