Cristiano Ronaldo é a nova joia do clube que nasceu no liceu

A Juventus cresceu com o império Agnelli. E é um dos descendentes dessa família que se empenhou na contratação de CR7 para reconquistar a Champions

A história da Juventus está umbilicalmente ligada ao Liceu Clássico Massimo D'Azeglio. Não, Cristiano Ronaldo não irá regressar às salas de aula, mas passa a fazer parte de imediato de uma história riquíssima, que começou a ser contada por um grupo de rapazes italianos e ingleses com idade máxima de 17 anos, que em 1897 decidiram criar um clube para jogar futebol, modalidade que já fazia furor em Inglaterra.

Esses rapazes estudavam nesse liceu, que ainda hoje acolhe muitos alunos num edifício cuja fachada foi recentemente remodelada, afinal, trata-se de património histórico da cidade de Turim, que fica bem perto do cruzamento entre as avenidas Vittorio Emanuele II e Rei Umberto. Aquele era o tempo do nascimento do futebol em Itália e esses rapazes criaram uma identidade que nunca imaginariam que um dia seria popular em todo o mundo.

Preto e branco por engano

A escolha do nome foi óbvia: a juventude. Que em italiano se diz gioventù, mas que no idioma de Piemonte, região do norte de Itália, se traduz como Juventus. O primeiro equipamento era cor-de-rosa e as listas brancas e pretas verticais da camisola só foram adotadas em 1903 por causa de um equívoco. A culpa foi do comerciante têxtil inglês John Savage, que tinha sido o primeiro jogador estrangeiro a disputar o campeonato italiano, fez uma requisição de equipamentos a uma fábrica de Inglaterra.

Só que os trabalhadores da fábrica, ao verem o modelo rosa esbatido, pensaram que era uma camisola velha branca que estava desbotada... e vai daí mandaram para Turim os equipamentos que produziam para o Notts County, com riscas verticais pretas e brancas. Com o início do campeonato a aproximar-se e sem tempo para corrigir o erro, acabaram por aceitar as novas camisolas ao estilo britânico. Curioso é que as camisolas rosa são ainda hoje usadas pelas equipas do Liceu Clássico Massimo D'Azeglio.

Foi por causa das cores do equipamento que em 1928 foi adotada a zebra empinada no emblema oval, que passou à história há um ano, quando a direção da Juventus decidiram mudar a imagem do clube, que passou a ter como símbolo dois 'jotas'. É esse o símbolo que Ronaldo irá usar nos próximos anos.

O clube com mais adeptos em Itália

A Juve, como é carinhosamente chamada, é o clube com mais adeptos em Itália. São cerca de 38 milhões de adeptos espalhados pela Europa, segundo um estudo recente revelado pela estação de televisão SportMediaset, que apontou ainda que a Juventus tem 29% do total de adeptos em Itália, à frente de AC Milan (16,3%), Inter Milão (16%) e Nápoles (11,6%).

É esta massa humana que, segundo Antonio Barrillà, jornalista com livros publicados sobre a Juventus, está "em extase" à espera que Cristiano Ronaldo chegue a Turim. "Quando se começou a falar no Ronaldo, muitos adeptos não acreditavam que era possível, mas agora estão loucos", frisou, revelando que os dirigentes da Juventus "estão à espera de 40 mil pessoas no estádio na apresentação" da estrela portuguesa, o que representa o estádio cheio.

A origem da Vecchia Signora

A Juventus é conhecida também por Vecchia Signora, que em português quer dizer Velha Senhora, uma contradição pelo facto de a origem do nome do clube ser juventude. Mas a explicação é simples e tem origem no início do século XX, depois de a aristocracia britânica abandonou o clube que dirigiu durante vários anos. Quando em 1923 a família Agnelli, proprietária da Fiat, assumiu o controlo do clube, este passou a ser conhecido por essa designação, uma vez que a classe trabalhadora chamava, na altura, signores vecchios aos ricos e empresários de Itália. Aliado a isso, a Juventus era chamada pelos adeptos de dama e foi assim que a Juventus passou a ser denominada de Vecchia Signora.

Curioso é que os adeptos rivais utilizaram a expressão como forma de gozo, porque as vecchias signoras foi o nome pelo qual durante muitos anos eram conhecidas as trabalhadoras em bordéis.

Império Agnelli deu vida ao clube

Foi só após a I Guerra Mundial que a Juventus começou a construir o estatuto de grande clube europeu. Sobretudo a partir de 1923 quando Edoardo Agnelli, filho do fundador da construtora de automóveis Fiat, foi eleito presidente por aclamação dos sócios. Foi o início do reinado de uma família poderosa à frente da Juventus, que coincidiu com a inauguração do seu primeiro estádio, o Corso Marsiglia, e a construção dos alicerces para uma grande equipa que dominou o futebol italiano nos anos 30 do século passado.

A II Guerra Mundial interrompeu o sucesso da Juventus, que renasceria em 1947, já sob a presidência de Gianni Agnelli, filho de Edoardo, que morrera num desastre de avião. O império da Fiat já se confundia com o clube. Gianni ficou pouco tempo na liderança, mas lançou as bases para um novo ciclo de sucessos, aproveitado pelo irmão Umberto entre 1955 e 1962.

Mas foi o ex-futebolista Giampiero Boniperti quem se tornou o presidente de referência para os adeptos da Juventus, pois em 1971 e 1990, conquistou nove títulos de campeão italiano, além da primeira Taça dos Campeões, duas Taças UEFA e uma Taça das Taças. Foi o responsável pelo crescimento internacional do clube, com a bênção da Fiat, cujo grupo está bastante empenhado na contratação de Cristiano Ronaldo, contratação que deverá ficar ligada a Andrea Agnelli, atual presidente da Juventus e filho do ex-presidente Umberto. John Elkann é outro dos nomes que poderá ficar ligado a CR7: é o neto de Gianni Agnelli, que dirige a Coorporação Fiat Chrysler e é diretor executivo da Exor, empresa de investimentos da família Agnelli, que irá financiar a operação.

Andrea Agnelli é o responsável pela recuperação do clube, após o escândalo de corrupção que originou a despromoção à Série B. E o seu projeto fez com que a Juventus voltasse a dominar em Itália, bem traduzido nos sete títulos de campeão consecutivos, mas ainda lhe falta a Liga dos Campeões, depois de duas finais perdidas. E é aqui que encaixa a milionária contratação de Cristiano Ronaldo na ordem dos 120 milhões de euros: voltar à glória europeia, conquistada em 1985 e 1996, mas não só...

"Não é apenas a pensar na Champions, a Juventus quer Ronaldo para uma operação mais ampla, que contempla a expansão da marca a nível mundial, que terá retorno em termos de merchandising", explicou Antonio Barillà ao DN.

Exclusivos

Premium

João Taborda da Gama

Linhas cinzentas

Era muito arrogante, mas era verdade, e como era verdade e era arrogante eu não me cansava de o dizer, quando na minha vida a arrogância e a verdade tinham um peso maior do que hoje. E o que era verdade é que já tinha ido mais vezes a Paris do que a Cascais e o que era arrogante era dizê-lo em todo o lado, junto de quem quer que fosse, mesmo quem nunca tivesse ido a Paris, ou a Cascais, e quisesse. Tenho vindo aqui mais vezes nos últimos tempos descobrir novos nomes, novas terras, pôr caras nas terras, de Bicesse, que em criança achava ser em Angola, a Pau Gordo, que não sabia que existia.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.