Coronavírus: Comité Olímpico descarta o adiamento dos Jogos Olímpicos

A possibilidade de os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 serem adiados devido ao surto do coronavírus foi descartada, esta sexta-feira, pelo presidente da comissão coordenadora do Comité Olímpico Internacional.

O Comité Olímpico Internacional (COI) descartou nesta sexta-feira a adoção de "planos de contingência" ou a transferência dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, com início a 24 de julho, devido ao surto do coronavírus. "Não há razão para ter planos de contingência ou contemplar a transferência dos Jogos", disse o presidente da comissão coordenadora, John Coates, no final de uma reunião com os organizadores de Tóquio 2020, na capital japonesa.

John Coates afastou qualquer possibilidade de se realizarem "alterações ao programa" ou ao próprio evento, que irá realizar-se em Tóquio, e manifestou "total confiança" nas medidas adotadas pelas autoridades japonesas no combate ao coronavírus."Continuamos a trabalhar em estreita colaboração com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a acompanhar com especial atenção a situação dos atletas chineses que viajem para os torneios competitivos de Tóquio 2020", afirmou o presidente.

Segundo o dirigente, o surto do coronavírus foi o tema principal da reunião do Comité com os organizadores dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, que irão decorrer de 24 de julho a 9 de agosto. "Todas as medidas adotadas pelas autoridades competentes são as apropriadas para enfrentar a situação e garantir que possamos ter uns jogos seguros para atletas e público", disse John Coates.

O representante do Comité Olímpico admitiu que os atletas chineses poderão ter algumas dificuldades para participar em competições internacionais e até em Tóquio 2020, embora admita que muitos já se encontram a treinar fora do país para não terem problemas.

A Comissão Nacional de Saúde da China comunicou na manhã desta sexta-feira 121 mortes nas últimas 24 horas devido ao coronavírus. No total, já são 1380 vítimas mortais em todo o continente chinês.

Segundo a Comissão Nacional de Saúde, o número de infetados aumentou para 63.581, na totalidade da República Popular da China, que exclui as cidades, Macau e Hong Kong.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG