Conceição: "É importante saber estar com a Roma e com o Feirense"

Treinador do FC Porto, de volta à liderança (pelo menos até ao jogo desta segunda-feira do Benfica), diz que controlou adversário e merecia mais um golo. Adjunto de Filipe Martins sublinhou desempenho do Feirense

Sérgio Conceição diz que faltou frescura física na segunda parte do FC Porto em Santa Maria da Feira, depois de na primeira ter dado a volta ao marcador (de 1-0 para 1-2). E considera que o menor fulgor atlético influenciou um jogo que, afirma, merecia ter ganho por mais um golo.

"O contexto é importante. Encontrámos um adversário que à medida que o campeonato vai chegando ao fim vai ficando cada vez mais pressionado. E que estava muito motivado contra o campeão nacional, o que é natural. Depois, entrar a perder tornou tudo ainda mais difícil", analisou o técnico.

"Na primeira parte demos a volta ao marcador e tivemos algumas oportunidades para fazer o terceiro golo. Na segunda parte, e depois de 120 minutos fantásticos e de grande desgaste frente à Roma, houve menos frescura física. Houve algumas quebras, falhas de luz, e nós queríamos acabar com o jogo o mais rápido possível", comentou Conceição.

"Fizemos jogar os mesmos onze porque era importante para a equipa. É importante saber estar com a Roma e saber estar com o Feirense", declarou.

"Tivemos o terceiro golo sempre em mente e criámos algumas oportunidades", adiantou. Sobre os sustos causados pelo Feirense, pragmatismo. "Por isso é que queríamos chegar ao terceiro golo rapidamente, porque numa jogada de sorte podíamos sofrer, mas acho que tivemos o adversário controlado, pelo menos naquilo que era o jogo direto. Estivemos sempre alerta em relação ao que o adversário podia fazer", acrescentou, concluindo: "Ganhar com mais um golo julgo que era mais justo".

Superiores em alguns setores

Do lado do Feirense, apesar do recorde histórico negativo de 23 jogos sem ganhar no campeonato, o adjunto de Filipe Martins sublinhou o desempenho da equipa. Um sinal de esperança para a tarefa hercúlea para sair do fundo da tabela e respirar (está a 11 pontos do primeiro lugar acima da linha de água).

"Foi um Feirense à imagem do Feirense que trabalha durante a semana. São estes os jogadores que queremos, com esta atitude e qualidade", apreciou Sandro Medeiros.

"Chegámos a controlar alguns setores e conseguimos evitar o jogo interior e a profundidade do campeão nacional, aí fomos superiores", regozijou-se o técnico.

A lacuna foram as bolas paradas, forma que o FC Porto encontrou para marcar esta noite. "Não fomos tão fortes como habitualmente. Queremos marcar de bola parada, não sofrer golos", admitiu Sandro Felgueiras, não atirando a toalha ao chão quanto à luta pela manutenção.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG