Como o esqui ajudou Djokovic a ser grande no ténis

O tenista sérvio diz que cresceu nas montanhas e que esquiar permitiu-lhe ter maior flexibilidade nos joelhos e nas articulações

Novak Djokovic surpreendeu este sábado ao revelar que o segredo do seu sucesso no mundo do ténis tem a ver com o facto de praticar esqui... A revelação surgiu na conferência de imprensa depois de derrotar o australiano Bernard Tomic em dois sets na segunda ronda do Masters 1000 de Miami, que decorre nos Estados Unidos.

"Acredito que esquiar beneficiou a flexibilidade dos meus joelhos e das minhas articulações", atirou o líder do ranking ATP, reconhecendo que vários tenistas estão proibidos de fazer esqui devido a cláusulas nos seus contratos, algo que ele não está impedido. "Conheço muitos jogadores que não podem fazer esqui, mas eu não assino contratos que me impeçam de esquiar", sublinhou.

"O esqui corre nas minhas veias. Venho de uma família de esquiadores. O meu pai costumava competir, tal como o meu tio e as minhas tias, para nós é normal estar nas ladeiras... cresci nas montanhas", frisou Djokovic, acrescentando que também jogou "muito basquetebol e futebol". "Gosto de passar muito tempo ao ar livre e, nesse sentido, acho que o esqui ajudou ao meu desenvolvimento também como pessoa e como jogador de ténis", frisou.

A pratica do esqui já foi abordada noutras ocasiões pelos rivais de Djokovic, tendo o suíço Roger Federer, natural de um país onde esta é uma modalidade popular, revelado que se trata de um desporto que lhe provoca algum receio. "Assusta-me poder lesionar-me. Vou com os meus filhos à neve, mas não esquio desde 2008", revelou.

Também o espanhol Rafael Nadal não quer nada com desportos de inverno, preferindo pesca submarina, mergulho, futebol e golfe.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.