Com a equipa em quarentena, Rostov joga com sub-17 e perde 10-1

No regresso da Liga russa, o quarto classificado sofreu uma goleada das antigas na deslocação a Sochi.

O FC Rostov foi esta sexta-feira goleada por 10-1 em casa do Sochi, num dos jogos que marcaram o regresso da Liga russa. A equipa em que atuou com os sub-17 e alguns jogadores do escalão de sub-19, porque toda a equipa profissional está de quarentena devido à pandemia covid-19.

A equipa visitante, que até ocupa o quarto lugar do campeonato, acabou por ser vítima da covid-19, uma vez que toda a sua equipa teve de ficar em quarentena porque seis funcionários do clube acusaram positivo. Por essa razão, de acordo com as regras impostas da Federação Russa, o Rostov foi obrigado a jogar com os juniores na deslocação ao campo do Sochi, nono classificado da Liga.

E a verdade é que o Rostov até se adiantou no marcador, logo no primeiro minuto, através de Roman Romanov, mas a formação anfitriã não deu hipóteses e, ao intervalo, já vencia por 4-1, com um autogolo de Abramov, um bis Kokorin (15 e 44) e outro golo de Anton Zabolotnyi.

Na segunda metade da partida, o domínio do Sochi acentuou-se com mais um remate certeiro de Zabolotnyi, com Kokorin a fazer o hat trick e com golos de Ivan Novoseltsev, Dmitri Poloz (bisou) e Nikita Koldunov.

O curioso é que o guarda-redes do Rostov, Denis Popov, de apenas 17 anos, foi eleito o melhor jogador em campo, pois apesar de ter sofrido dez golos, defendeu um penálti e fez algumas belas defesas, evitando que a goleada fosse ainda mais pesada.

O Rostov tinha revelado esta sexta-feira que um grupo de jogadores da equipa dos juniores estava em viagem para Sochi para defrontar o então 12.º classificado da prova, que com a vitória ascendeu provisoriamente ao nono lugar.

Os responsáveis do Rostov, que está na luta pelo acesso à Liga dos Campeões, acrescentaram que nenhum dos jogadores tem experiência de futebol sénior e que o mais velho dos participantes tem 19 anos.

Antes, a federação russa propôs adiar a partida para 19 de julho, mas exigiu um acordo entre os dois clubes, algo que não veio a acontecer por recusa do Sochi.

Na quarta-feira, o Rostov especificou em comunicado que, em resultado dos testes realizados à covid-19, todos os elementos do plantel, e mais 42 funcionários do clube, estão em alerta, por terem estado em contacto direto com seis futebolistas que deram positivo ao teste.

Este é um problema com o qual o Rostov deverá ter de lidar no próximo dia 27, uma vez que o plantel está de quarentena durante duas semanas, pelo que ainda não deverão estar disponíveis para a receção ao Arsenal Tula. Ou seja, que o adversário não concordar em adiar o jogo, o clube terá de voltar a recorrer a uma mistura entre sub-17 e sub-19.

A liga russa, que foi suspensa em março devido ao novo coronavírus, regressou oficialmente com o encontro Krylia Sovetov-Akhmat Grozny (2-4).

A Rússia, que contabiliza 7.831 mortos, é o terceiro país do mundo em número de infetados, depois dos Estados Unidos (EUA) e do Brasil, com mais de 568 mil.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG