City investiu mais de 600 milhões de euros. Mas não chega para Guardiola vencer a Champions

O treinador catalão voltou a falhar pelo terceiro ano consecutivo uma presença nas meias-finais da Liga dos Campeões apesar do forte investimento em reforços. Pelo Bayern também nunca chegou a finais.

Apesar do forte investimento do Manchester City em reforços na era Pep Guardiola, pelo terceiro ano consecutivo a equipa não consegue sequer chegar a uma meia-final da Liga dos Campeões. Nesta quarta-feira, a equipa inglesa, num jogo épico, voltou a falhar esse objetivo, ganhando por 4-3 ao Tottenham, mas acabando eliminada porque no jogo da primeira mão perdeu por 1-0.

Desde 2016/17, a primeira época de Pep Guardiola, o City investiu 608 milhões de euros em reforços. Um valor que, contudo, não chegou para os citizens fazerem boa figura nas competições europeias. Nessa primeira temporada, o clube inglês gastou 213 milhões em jogadores como John Stones, Gabriel Jesús e Gündogan. Mas caiu nos oitavos-de-final da Champions diante do Mónaco.

Na época passada, o investimento em reforços chegou aos 317,5 milhões de euros, em craques como Bernardo Silva, Ederson, Kyle Walker, Benjamin Mendy, Laporte e Danilo. Mas uma vez mais o City desiludiu na competição eliminatória, eliminado pelo Liverpool nos quartos-de-final da competição,

Esta época os donos do clube foram mais brandos no investimento na equipa, gastando cerca de 77 milhões de euros - só Mahrez custou 67. E o City voltou a fracassar, eliminado nos oitavos-de-final pelo Tottenham.

Esta 'alergia' de Guardiola à Champions vem já de anos anteriores. Nas três temporadas em que esteve no Bayern Munique, o treinador catalão caiu sempre nas meias-finais da prova, ele que pegou na equipa precisamente no ano a seguir a terem conquistado a Champions sob a batuta de Jupp Heynckes. Nos três anos de Guardiola, o Bayern investiu 204,4 milhões de euros em reforços.

Ou seja, desde que deixou o Barcelona, Pep Guardiola nunca mais conseguiu erguer uma Liga dos Campeões, quando ao serviço dos catalães fê-lo por duas vezes (2008(09 e 2010/11) na condição de treinador.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.