Cinco finais e recordes pessoais são a meta nos Europeus de piscina curta

Ana Monteiro, Diana Durães, Raquel Gomes Pereira, Tamila Holub, Victoria Kaminskaya, Alexandre Amorim, Aléxis Santos, Diogo Carvalho, Francisco Quintas, José Paulo Lopes e Miguel Nascimento são os nadadores convocados.

A presença em cinco finais, dez classificações entre os 16 primeiros e o estabelecimento de recordes pessoais são os objetivos traçados pelo Diretor Técnico Nacional para a participação portuguesa nos Europeus de piscina curta, que começam na quarta-feira. "As expectativas são as de que todos consigam estabelecer os seus recordes pessoais. À partida, se isso acontecer, temos a perspetiva de participar em cinco finais e ter dez classificações dentro dos 16 primeiros", apontou José Machado, em declarações à agência Lusa.

O Diretor Técnico Nacional acredita que, "de uma maneira geral", seja possível haver representação lusa nas finais das "provas masculinas de estilos, nas provas femininas de 200 metros mariposa, 400 e 800 livres" dos Europeus de piscina curta, que decorrem entre 4 e 8 de dezembro, no centro internacional de natação Tollcross, em Glasgow, Escócia.

"São aquelas que poderão ter a maior perspetiva de participação nas finais. Poderá haver uma ou outra prova que seja, digamos, uma surpresa, mas à partida é mais pensando nessas provas que pensamos nessa possibilidade", completou.

José Machado notou ainda que se a grande maioria dos nadadores presentes conseguir estabelecer recordes pessoais, essas marcas vão coincidir, "quase por inerência", com os recordes nacionais, uma vez que a maioria dos convocados são já os detentores dos mínimos dessas mesmas distâncias.

A pouco mais de sete meses dos Jogos Olímpicos de Tóquio, o responsável técnico da Federação Portuguesa de Natação considerou os Europeus de Glasgow como o segundo momento mais importante para os nadadores envolvidos na preparação para Tóquio2020. "Atendendo que o grande objetivo de época são os Jogos Olímpicos, e atendendo ao afastamento entre os dois momentos, acreditamos que é possível que os nadadores portugueses se consigam apresentar num bom momento de forma neste Europeu, sem que isso tenha qualquer implicação com a preparação que têm conduzido para os Jogos", avaliou.

Segundo José Machado, o mesmo já "não é tão verdade no que refere ao Campeonato da Europa de piscina longa", devido à sua proximidade com Tóquio2020 - os Europeus são em maio e os Olímpicos em julho.

"Pode acontecer que, para alguns nadadores, o facto de estarem a apontar especificamente para os Jogos Olímpicos possa ter alguma interferência nessa participação [nos Europeus de piscina longa]. Digamos que estes Europeus [de Glasgow] poderão funcionar como uma fase preparatória para Tóquio. Estes aqui não têm qualquer ligação e, por isso, e depois de consultarmos previamente os treinadores dos nadadores que estão nessa situação, foi unânime que iriam fazer o momento de forma normal para esta época de inverno e depois, então, virar as atenções para os Jogos", detalhou.

Com o momento mais importante da vida de um atleta ao virar da esquina, o responsável federativo não esconde que a proximidade dos Jogos Olímpicos traz junto "algum acréscimo de ansiedade", apontando como objetivo primordial conseguir que os nadadores possam focar-se "o mais possível" na preparação e menos "no produto, que neste caso vai ser o resultado" que estes vão obter na capital nipónica.

"A tentativa é que se consiga, na medida do possível, cumprir o processo de preparação desenhado em conjunto com os treinadores dos atletas e, depois, ter esperança que essa preparação decorra dentro da normalidade para que o nadador se consiga apresentar na melhor forma, que esperamos que seja a melhor destes últimos quatro anos. É esse o objetivo até aos Jogos", pontuou.

Ana Monteiro, Diana Durães, Raquel Gomes Pereira, Tamila Holub, Victoria Kaminskaya, Alexandre Amorim, Aléxis Santos, Diogo Carvalho, Francisco Quintas, José Paulo Lopes e Miguel Nascimento são os nadadores convocados.

Lista de nadadores, clubes e provas:

Ana Monteiro, Clube Fluvial Vilacondense, 100Mariposa, 200Mariposa

Diana Durães, Benfica, 200Livres, 400Livres, 800Livres

Raquel Gomes Pereira, Algés e Dafundo, 100Bruços, 200Bruços, 100Estilos, 200Estilos

Tamila Holub, Braga, 400Livres, 800Livres

Victoria Kaminskaya, Benfica, 100Bruços, 200Bruços, 200Estilos

Alexandre Amorim, FC Porto, 50Bruços, 100Bruços

Aléxis Santos, Sporting, 100Estilos, 200Estilos

Diogo Carvalho, Galitos, 200Mariposa, 100Estilos, 200Estilos

Francisco Quintas, Belenenses, 50Bruços, 100Bruços, 200Bruços

José Paulo Lopes, Braga, 400Livres, 1500Livres, 200Estilos, 400Estilos

Miguel Nascimento, Benfica, 50Livres, 100Livres, 200Livres

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...