Oficial: Tiago Fernandes é o novo treinador do Chaves

Daniel Ramos rescindiu com o clube transmontano esta terça-feira à tarde e abriu caminho à chegada do técnico dos sub-23 do Sporting, que assinou até ao final da época.

Saiu Daniel Ramos, entrou Tiago Fernandes. O Desportivo de Chaves anunciou esta segunda-feira à noite que chegou a acordo com Tiago Fernandes até ao final da temporada. O técnico que treinava os sub-23 do Sporting, e que pegou na equipa principal depois da saída de José Peseiro e até Marcel Keiser chegar, vai orientar os transmontanos até ao final da época.

"O Grupo Desportivo de Chaves e a respetiva SAD vêm por este meio informar que chegaram a acordo com o treinador Tiago Fernandes para orientar o GD Chaves até final da temporada 2019/2020. Desejamos ao novo mister e à restante equipa técnica as maiores felicidades pessoais e os maiores sucessos ao serviço do nosso emblema", anunciou o clube em comunicado.

Durante a tarde, o Chaves tinha anunciado nas redes sociais a rescisão de contrato por mútuo acordo com Daniel Ramos, de 47 anos. E tal como o DN noticiou, iniciou logo negociações com Tiago Fernandes e com o Sporting.

"O Grupo Desportivo de Chaves e a respetiva SAD informam que, por mútuo acordo, o treinador Daniel Ramos cessou funções nesta Sociedade Desportiva. Agradecemos a Daniel Ramos e à sua equipa técnica todo o profissionalismo e empenho com que serviram a nossa instituição e desejamos os maiores sucessos e realizações", pode ler-se no comunicado.

Daniel Ramos tinha contrato até ao final da temporada 2019/2020 e deixa o Desp. Chaves no último classificado da Liga, com 7 pontos em 12 jornadas. Foi o terceiro treinador a ser despedido na edição 2018/19 da I Liga, depois das saídas de José Peseiro, do Sporting, e Cláudio Braga, do Marítimo.

.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.