Catamarãs voadores batem recordes de velocidade em Cascais

O quarto circuito do campeonato mundial Extreme Sailing Series, este fim de semana, em Cascais, ficou marcado por condições de vento e velocidades inéditas.

Um barco à vela com dez metros de comprimento a navegar a 70 km/hora? Sim, aconteceu este fim de semana, na baía de Cascais, no quarto circuito campeonato mundial Extreme Sailing Series.

O barco é o catamarã G32, um duplo casco com patilhões basculantes em forma de L ("foils"), que têm na água o mesmo efeito que têm no ar os "flaps" da asa de um avião: içam ambos os cascos e fazem o barco como que planar, diminuindo-lhe assim o atrito e com isso aumentando-lhe a velocidade para, neste caso, quase o quadruplo do seu comprimento (fazendo-se a comparação em nós).

A equipa que o conseguiu foi a SAP Extreme, com o neozelandês Adam Minoprio ao leme. O recorde estava em 36 nós/hora (66,7 km/hora), estabelecido na Austrália, em 2016, pelo Red Bull Sailing Team, equipa liderada pelo austríaco Roman Hagara. Na 10ª das 28 regatas cumpridas nos quatro dias do circuito de Cascais da Extreme Sailing Series, o SAP Extreme largou absolutamente disparado e logo aí bateu o recorde, velejando a 36,4 nós (67,4 km/hora). Mas com um ângulo perfeito para o vento, mar calmo e rajadas a atingirem os 27 nós (50 km/hora), o catamarã continuou a aumentar de velocidade, atingindo uns impensáveis 37,9 nós. Ou seja: 70,19 km/hora.

Quando chegou a terra, findo o dia de regatas, Adam Minoprio era todo sorrisos. "Foram regatas muito intensas. Estava realmente muito vento e com muitas rajadas. Só temos de continuar assim."

Bater recordes de velocidade não serviu no entanto à equipa SAP Extreme - onde pontifica como chefe da equipa de terra o português Renato Conde - para vencer o circuito português. A equipa Alinghi - que também tem um chefe de terra português, João Cabeçadas - comandou todo o circuíto, do princípio ao fim, reforçando a liderança do campeonato (faltam três provas para terminar: Cardiff, San Diego e Los Cabos, no México).

Entre as sete equipas participantes esteve uma portuguesa, em modo "wild card", que acabou em último lugar.

Classificação Cascais

1º Alinghi 12 pts

2º SAP Extreme 11

3º INEOS Rebels 10

4º Oman Air 9

5º Red Bull 8

6º Team Mexico 7

7º Team Portugal 6

Classificação geral

1º Alinghi 45 pts

2º SAP Extreme 44

3º Oman Air 41

4º INEOS Rebels 37

5º Red Bull 33

6º Team Mexico 27

7º NZ Extreme 7

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.