Carlos Amado da Silva eleito presidente da Federação de Râguebi

O antigo presidente da Federação Portuguesa de Rugby entre 2010 e 2015 vai voltar a conduzir os destinos da FPR no próximo quadriénio, após ter ganho as eleições realizadas esta quinta-feira.

A lista A liderada pelo engenheiro agrónomo Carlos Amado da Silva, 71 anos, o experiente dirigente que a nível de clubes guiou, ao longo de três décadas, Agronomia, tendo erguido a formação da Tapada da Ajuda até ao topo do râguebi nacional, venceu as eleições para os órgãos sociais da Federação Portuguesa de Rugby que se realizarem esta quinta-feira.

Isto depois de um longo período no qual uma Comissão de Gestão (ou poder-se-ia apelidá-la de Gestação, já que esteve em funções praticamente nove meses...) ter conduzido o râguebi português num tempo de enorme instabilidade e sem tomar importantes decisões provocada pela demissão, em julho passado, do antigo presidente federativo Luís Cassiano Neves.

Assim e depois de cumprir um mandato de cinco anos como presidente da FPR entre 2010 e 2015, Amado da Silva - que foi derrotado em 2015 precisamente por Cassiano Neves - vai voltar a dirigir a FPR no quadriénio 2019/23.

A lista vencedora conseguiu 59 votos para a direção, contra 41 da lista B encabeçada por Lourenço Fernandes Thomaz. Houve ainda um voto nulo naquela que é a maior diferença de votação entre listas dos últimos largos anos.

A lista A venceu igualmente as eleições para os restantes órgãos: Conselho de Arbitragem, Conselho Fiscal, Conselho de Justiça, Conselho Disciplinar e Conselho Geral.

Curiosamente, o novo presidente vai já ter pela frente um próximo fim-de-semana de grande movimentação e decisões a nível internacional, com três seleções nacionais a disputarem importantes compromissos, a saber: A invicta seleção principal de XV estará na Lituânia para realizar, este sábado (14.00), a sua quinta e derradeira partida no European Trophy 2018/19 (na qual um empate basta para garantir o acesso ao "play-off" de subida ao European Championship frente à Alemanha); a seleção de sevens disputa, por convite, o mais famoso torneio desta variante, o Hong Kong Sevens incluído nas World Series; e os nossos sub-20 irão defrontar a Espanha na final do Europeu 2019 (EU Coimbra, sábado, 18.00), tentando conquistar um terceiro título europeu consecutivo.

A lista vencedora tem os seguintes elementos:

Presidente - Carlos Amado da Silva

Direção

Ricardo Nunes

Francisco Martins

Luís Ferreira da Costa

Luís Sarmento

João Pereira de Faria

José Saraiva Marques

Conselho Geral

Duarte Vasconcelos (presidente)

João Ferreira Queimado

Miguel Vareta

Amândio Figueiredo

Filipe Machado

Faustino Pires

António Vidigal

Conselho Fiscal

Florindo Tocha (presidente)

Carlos Infante do Carmo

Carlos Polainas

Conselho de Justiça

António Folgado (presidente)

António Pereira Viana

Ricardo Junqueiro

Francisco Bandeira

André Cunha e Araújo

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.