Capitão do Watford não regressa aos treinos para proteger o filho

As equipas da Premier League começam a regressar, mas Troy Deeney explicou que não irá fazê-lo porque o seu filho de cinco meses teve teve dificuldades respiratórias.

No dia em que boa parte das equipas da Premier League regressaram aos treinos nas respetivas academias, eis que surge o polémico depoimento de Troy Deeney, capitão do Watford, que num programa de debate transmitido no YouTube, deixou claro que não irá regressar aos treinos porque não quer colocar o seu filho recém-nascido em perigo.

"O Watford deve voltar esta semana, mas eu já disse que não estarei presente", garantiu o avançado inglês, de 31 anos, deixando uma explicação bem clara para esta decisão: "É apenas preciso apenas uma pessoa para infetar um grupo e eu não quero levar o vírus para casa. O meu filho tem apenas cinco meses e teve dificuldades respiratórias, por isso não volto aos treinos para não colocá-lo em perigo."

O treinador Nigel Pearson, em entrevista ao The Times, já se mostrou preocupado com esta situação e garantiu que não irá obrigar os jogadores a regressarem aos treinos.

Deeney, que esta época marcou seis golos em 18 jogos na Premier League, referiu que na passada quarta-feira, quando os capitães das equipas reuniram com os médicos especialistas sobre a retoma do campeonato, colocou em cima da mesa uma questão que o preocupa. "Os negros, asiáticos e misturas étnicas têm quatro vezes mais possibilidades de contrair a doença, duas vezes mais hipóteses de ficarem com doenças. Questionei se havia alguma preocupação adicional com isso, uma triagem para ver se há pessoas com doenças do coração, por exemplo. Responderam que não. Tudo bem, mas acho que isso é importante", revelou.

Entretanto, Steve Bruce, treinador do Newcastle, alertou para a necessidade de a liga ser "meticulosa" no que diz respeitos ao protocolo e tem de "fazer tudo o que possam para garantir toda a segurança" para o regresso aos treinos. Em entrevista à BBC Radio, o técnico admitiu que a "grande maioria" da sua equipa está satisfeita com as medidas adotadas, mas lembrou que "cada jogador tem uma circunstância específica": "Por exemplo, se algum deles tiver a mulher grávida em casa ou a sogra doente. Temos de respeitá-los", sublinhou.

Esta terça-feira regressaram aos treinos o líder Liverpool, o Tottenham de José Mourinho e o Wolverhampton de Nuno Espírito Santo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG