Canales. Uma história de sofrimento até chegar à seleção espanhola

Tatuou uma espinha de peixe num dos joelhos massacrados pelas lesões que quase ofuscaram a carreira daquele que foi uma das grandes esperanças de Espanha. Chegou a ser treinado por Mourinho no Real Madrid, mas só aos 28 anos tem a oportunidade de se estrear pela sua seleção

Sergio Canales é o nome do momento na seleção espanhola. Aos 28 anos, o médio ofensivo do Betis foi convocado pela primeira vez pelo selecionador nacional após uma carreira bastante acidentada marcada por muitas lesões. Foi de tal forma que tatuou uma espinha de peixe na enorme cicatriz do seu joelho esquerdo, uma imagem que faz esta quinta-feira capa do jornal desportivo Marca.

A ideia daquela tatuagem nasceu numa conversa com um amigo. "Como era a cicatriz do ligamento cruzado, surgiu a ideia de ser a espinha do peixe cruzado. Até podia ter sido uma girafa, por causa do pescoço, ou outras mil coisas, mas gostámos disso", afirmou em entrevista ao jornal desportivo espanhol.

Canales chegou a ser uma das grandes esperanças do futebol espanhol, passou por todas as seleções jovens até que em 2008/09 começou a brilhar com a camisola do seu clube de formação, o Racing Santander. Uma época em cheio levou-o, aos 20 anos, para o Real Madrid para ser treinado por José Mourinho, numa equipa cheia de estrelas. Acabou por não se impôr e iniciou então um percurso por Valência, Real Sociedad e, esta época, chegou ao Betis. Pelo meio várias lesões nos joelhos, mas nunca desistiu.

"Orgulho-me de nunca ter baixado os braços, de não me render e continuar a lutar. Houve momentos, durante as recuperações das cirurgias, que as coisas não corriam bem, mas nunca me rendi. Fui buscar outras soluções e, apesar de tudo, nunca perdi o sorriso", conta o jogador natural de Santander, garantindo que "nunca" pensou em desistir.

"Quis lutar. Sempre me senti um felizardo por poder jogar futebol e, como tal, não ia baixar os braços à primeira contrariedade. Claro que houve momentos muito complicados, nos quais acreditava que não ia conseguir voltar ao meu melhor nível, mas dar a volta a isto tudo e sentir-me agora melhor que antes das lesões dá-me muita energia e força", explicou, garantindo que agora dá mais valor a cada jogo que faz: "É como se fosse o último, desfruto muito e aprendo a cada partida que faço." E, nesse sentido, até diz que "o melhor Canales está por chegar".

Na sexta-feira, Sergio Canales sentiu-se recompensado por tanto esforço quando ouviu o selecionador Luis Enrique convocá-lo para a principal equipa de Espanha pela primeira vez na sua carreira. "Estou muito agradecido pelo carinho que sempre recebi. É sempre bom quando as pessoas valorizam o nosso trabalho e o esforço. Todos diziam que ia chegar a minha vez, mas sempre vi isso como muito complicado. Houve um tempo que não era um objetivo realista, mas agora, com a época que estou a fazer, passou a ser", sublinhou.

No sábado, em Valência, diante da Noruega, Sergio Canales poderá viver um dos momentos mais especiais na sua carreira de futebolista. A estreia pela principal seleção espanhola poderá ser o momento de recompensa pelo caminho tortuoso que teve de percorrer.