Bruno Lage: "Temos de responder à dimensão que temos na Europa"

O treinador do Benfica quer que esta quarta-feira com o Zenit a sua equipa "comece uma Champions à altura" da história do clube e garante que o objetivo é ser uma equipa "mandona" que faça "um grande jogo e vença".

Bruno Lage, treinador do Benfica, assumiu que a partida desta quarta-feira em São Petersburgo, com o Zenit, é a oportunidade para retificar a derrota da primeira jornada da Liga dos Campeões com o RB Leipzig, no Estádio da Luz.

"A intensão é que comece amanhã uma Champions à altura do Benfica. É sempre com enorme sentido de responsabilidade que entramos para qualquer jogo de qualquer competição e o onze que for escolhido terá essa responsabilidade. Estamos sempre a preparar o futuro como é política do clube, mas temos uma equipa que nos dá garantias no presente, por isso, temos de responder à dimensão que temos na Europa", afirmou o técnico encarnado em conferência de impensa de lançamento da partida com o Zenit.

Questionado se o Benfica será uma equipa mandona na Gazprom Arena, Bruno Lage referiu que "isso é o que é pretendido em todos os jogos". "Queremos ter o controlo do jogo com bola, quando não o fazemos é em função da força do adversário e nessas circunstâncias procuramos controlar sem bola, mas procurando sempre as nossas oportunidades de golo", disse, deixando um aviso: "A responsabilidade dos jogadores é máxima e quero que exijam o mesmo de mim. Eu sou um pouco como os miúdos da formação que chegam à equipa principal, pois represento o Benfica desde os sub-9 sempre para ganhar e não nos vamos desviar disso. É por isso que o Tomás Tavares, sem jogos pela equipa B, fez aquele jogo com o Leipzig porque está bem identificado com o clube."

Sobre o Zenit, Bruno Lage admitiu que se trata de uma equipa que usa "vários sistemas", mas que ao mesmo tempo "tira partido das características dos seus jogadores, com muita largura e com jogo mais direto para o ponta-de-lança, à procura das costas dos adversários mas também para esperar para a entrada dos alas". Nesse sentido, garantiu que foi preparada "a melhor estratégia e o melhor onze" para que o Benfica faça "um grande jogo e vença", que definiu como "o objetivo" desta viagem à Rússia.

"Nas competições nacionais o Zenit costuma utilizar um 4x4x2 com dinâmica nos corredores, dependendo dos alas jogarem por dentro ou não. É uma equipa poderosa, que começou com cinco defesas com o Lyon, mas teve um registo semelhante ao que utiliza na liga russa, com laterais muito ofensivos, e alas por dentro, tirando partido do ponta-de-lança. O Zenit vale pelo seu coletivo, joga curto mas também consegue olhar longe para as movimentações do seu avançado", explicou.

Bruno Lage admitiu que as lesões que afetam o plantel "preocupam sempre", mas deixou uma garantia: "Temos consciência do que temos vindo a fazer e percebemos as lesões que têm surgido. Temos tudo sob controlo, mas quantos jogadores mais disponíveis mas soluções temos para sermos mais fortes."

Para esta partida, não excluiu a possibilidade de fazer ajustes na equipa "em função das características de cada um dos jogadores e da análise do adversário". "Ajustamos os pontas-de-lança sempre que sentimos essa necessidade, mas nunca deixamos de olhar para a nossa evolução, ideia e momento de forma. O objetivo é que eles nos deem coisas diferentes para tirarmos partido disso. Como tal, preparamos sempre o melhor onze para cada momento", frisou.

Antes de terminar a conferência de impresa, Bruno Lage fez questão de apelar ao voto nas eleições legislativas do próximo domingo. "O campeonato vai parar e é o momento para refletirmos na importância do futebol e da sociedade. Será importante sentir a responsabilidade de ir votar, porque se o fizermos menos desculpa termos quando dizemos que as coisas não resultam. É importante votar, mesmo que não se identifiquem com nenhum projeto. Vão votar, nem que seja em branco", finalizou.

Ivanovic recorda golo que tirou a Liga Europa ao Benfica

Na final da Liga Europa de 2013, Ivanovic marcou o golo do Chelsea que derrotou o Benfica por 2-1, nos instantes finais da partida. Agora é jogador do Zenit, mas não esquece aquele momento de glória. "Foi um dos golos mais importante da minha carreira. Fico agradecido por essas memórias, mas amanhã é outro jogo", disse o internacional sérvio, destacando os encarnados como "uma equipa com muita qualidade, que tem uma filosofia especial, pois jogam sempre para vencer".

"O Benfica é uma equipa muito perigosa, com jogadores muitos jovens e outros com muita experiência. É um clube com muita história, com uma filosofia própria, mas nós queremos conquistar os três pontos e vamos estar 100% concentrados para o conseguir", acrescentou.

Semak revela que quis contratar Grimaldo

Sergei Semak, treinador do Zenit, revelou que ainda não vai poder contar com o brasileiro Malcom (ex- Barcelona), que foi a grande contratação para esta época, porque "ainda recupera de lesão", mas garantiu que o iraniano Sardar Azmoun, que não defrontou o Lokomotiv no fim de semana "já vai poder estar em campo e mostrar as suas qualidades".

O técnico russo não está preocupado com a forma de jogar do Benfica e deixou isso bem claro na conferência de imprensa de antevisão à partida: "Vamos pensar mais nos nossos jogadores. Temos alguns jogadores com problemas, temos de ver isso primeiro, e só a partir daí é que vamos escolher. Mas tenho a certeza que todos os que estiveram em campo vão dar o seu melhor para vencer."

Semak revelou ainda que no último verão tentou contratar Grimaldo ao Benfica. "Tínhamos interesse no Grimaldo, mas é um jogador muito caro e não foi possível. Sabemos que o André Almeida está lesionado, mas não são apenas esses que são perigosos. O Pizzi é um jogador com muita técnica, os jogadores do ataque também são muito bons. Como é normal nas equipas portuguesas, todos os jogadores têm uma qualidade muito boa", disse.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG