Bruno Lage: "O João Félix poderia ser a grande referência que tem faltado ao Benfica"

O treinador campeão nacional lamenta se tiver de perder o avançado para o Atlético de Madrid, mas garante que independentemente está a trabalhar para ter "uma equipa forte" para a nova época.

O Benfica deu esta segunda-feira o pontapé de saída para a época 2019/20 e o treinador Bruno Lage assumiu que tinha o desejo que continuar a contar com João Félix no plantel. Não dando ainda como garantida a saída para o Atlético de Madrid, o técnico considera que o avançado de 19 anos "poderia ser a grande referencia que tem faltado ao Benfica".

"Há seis semanas via a equipa poder contar com o contributo do João. Poderia ser a grande referencia que tem faltado ao Benfica por ser português, ter vindo da formação e por muitos o compararem ao Rui Costa. Nesse sentido, gostava que o João saísse de Portugal com uma passagem maior do que estes cinco meses na equipa principal. Se sair, sairá como um ídolo, mas gostava que ficasse porque seria bom para a equipa e podia ser bom para ele", começou por dizer em entrevista à BTV.

"Lamento que não possa ter mais um ano de carinho dos adeptos e sair como um ídolo, mas sei que é um jovem talento que pensa pela sua cabeça. E se sair certamente fará uma enorme carreira", acrescentou, deixando no entanto a garantia de que, apesar da mais que provável saída de João Félix, irá ter uma equipa competitiva: "Tem de ser. O Benfica tem tido equipas fortes e é para isso que vamos trabalhar."

No dia que marcou o arranque dos trabalhos dos campeões nacionais, Bruno Lage admitiu que a sua equipa irá utilizar preferencialmente o 4x4x2 que teve sucesso na última época, mas admitiu alguns ajustes. "Teremos um processo de continuidade em relação à última temporada, mas também de integração dos novos jogadores. O que fizemos na última época tem a minha ideia, mas tem também muito das características dos jogadores. Há dinâmicas consoante quem joga. É preciso saber o que se tem de fazer a atacar e a defender, mas o que cada um oferece ao jogo permite a que as ideias coletivas sejam distintas. O 4x4x2 será, em princípio a base, mas poderá haver jogadores que nos permitam ir por outro caminho. Quero é uma equipa a pressionar a defender em bloco que, com dois ou três passes, esteja perto da baliza para fazer golo. Queremos equipa alegre para divertir o nosso público", sublinhou.

As mensagens para a nova época

"Na última temporada, fizemos algo que ninguém estava a espera, com uma segunda volta brilhante com apenas um empate. Por isso, a primeira mensagem é que temos de entrar fortes e determinados na nova época e não à sombra do sucesso que tivemos porque depois teremos tempo para recuperar... Se assim for, estaremos enganados. Temos de dar respostas muito positivas de imediato."

"A segunda mensagem é que, independentemente do trabalho de cada um dos jogadores, quem deixar treinar com intensidade, quem deixar de correr ou de jogar em equipa não terá hipóteses de jogar. Temos de treinar com forte intensidade porque não há espaço para relaxar. Apesar de teremos acabado bem, não podemos entrar em falso, nem ter uma quebra lá para outubro ou novembro. Temos de ter uma resposta a nível nacional e internacional."

Os objetivos da pré-temporada

"O objetivo é, desde o primeiro dia, tentar aproximar a equipa daquilo que queremos que ela faça em campo. Queremos preparar a equipa logo para jogar, com alta intensidade e com tempos de recuperação diferentes. Vamos preparar-nos para o primeiro jogo treino com o Anderlecht e depois introduzindo as ideias que queremos para a equipa. Existem várias formas de chegar ao sucesso, mas no nosso trabalho tem de haver uma linha de continuidade e uma lógica para que a progressão seja efetiva."

"Nos jogos que vamos ter pela frente vamos fazer as alterações na equipa em função da resposta que os jogadores forem dando, vamos tentar que todos tenham oportunidade de jogar, independentemente do estatuto de cada um. A resposta de cada um é que vai ditar a equipa e o nosso caminho."

Um plantel equilibrado e reduzido

"Não temos um número fechado em relação à composição do nosso plantel. O mais importante é ter um leque reduzido para ficarmos mais fortes. Quero que todos os jogadores tenham a oportunidade de lutar por um lugar, o que é impossível de conseguir se tivermos mais de duas opções para cada lugar. Se todos eles sentirem que têm oportunidade de jogar a exigência e a competitividade será maior, pois se um deles facilitar, o outro está preparado para avançar."

O papel dos mais jovens

Pedro Álvaro, Nuno Tavares, Tiago Dantas, Nuno Santos e David Tavares são os jovens da formação que integram os trabalhos de pré-temporada, mas Bruno Lage assume que qualquer um deles não se apresenta nas mesmas condições do que aqueles (Zlobin, Ferro, Florentino Luís e Jota), que entraram no plantel em janeiro.

"Pode acontecer que algum deles fique em permanência no plantel. Temos de olhar para o que temos em casa, mas nunca deixando de parte quem contribuiu para o engrandecimento do clube. Vai depender do que eles fizerem nos treinos. Os que entraram na época passada tinham-se afirmado na equipa B, mas nenhum destes cinco está nessas condições. Por isso, eventualmente terão de passar pelo mesmo processo dos outros, serem titulares regulares na equipa B."

O valor de Caio Lucas e Cadiz

O brasileiro Caio Lucas e o venezuelano Jhonder Cadiz são, para já, os únicos reforços garantidos pelo Benfica para a nova época. Bruno Lage assumiu nesta primeira entrevista da época que "são jogadores de qualidade". "O Caio já estava contratado quando assumi a equipa, mas o importante é perceber que tipo de contributo podem dar à equipa."

Uma época com mais pressão

"A pressão que coloco em mim é maior do que tudo. E a mensagem que vou passar aos jogadores é a de colocar enorme pressão em mim e no meu trabalho. Estou habituado a isso, a pressão é tão grande que aquela que virá de fora não atrapalha."

Objetivos na Liga dos Campeões

"Vou estrear-me na Champions... na bancada porque o árbitro entendeu expulsar-me no jogo com o Eintracht. Mas temos de ter a ambição de fazer uma boa campanha e passar à fase seguinte. Temos de entrar determinados nas competições e é por isso que estamos a construir um plantel forte."

Corrigir os defeitos das taças

O facto de o Benfica não ter conseguido chegar à final da Taça de Portugal e da Liga Europa mereceu de Bruno Lage um aviso para aquilo que quer para a nova época. "Quando disse que a equipa jogou de travão de mão com o Sporting e com o Eintracht era porque não fez com que as coisas acontecessem: tínhamos o resultado do nosso lado e entramos com travão de mão e isso é uma coisa que temos de trabalhar. Uma coisa é controlar o jogo, e isso temos de fazer quando enfrentamos adversários mais fortes, mas outra é ficar à espera. Essa mentalidade não quero que a equipa tenha."

A Liga e a Supertaça

"Quem parte à frente no campeonato são Benfica, FC Porto, Sporting e Sp. Braga, pela qualidade dos seus plantéis e pelo futebol que mostraram na época passada, eventualmente pode surgir um V. Guimarães mais forte. Mas nós temos de entrar com ambição. A começar já pela Supertaça com o Sporting, na qual quero um Benfica mais próximo possível daquele que terminou a época."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG